sábado, dezembro 31, 2011

«AI SOU EU QUE PAGO»

BOM ANO NOVO 2012 PARA TODOS!

«E Ele disse-lhes: Onde estiver o corpo, aí se ajuntarão as águias.» Lc 17, 37

FRAUDES CIENTÍFICAS PARA TODOS OS DESGOSTOS

«1. A fraude do "senhor dos dados" holandês; 2. Arsénio, bactérias e a ciência em águas de bacalhau; 3. O vírus que afinal não estava por trás da fadiga crónica; 4. Os genes dos centenários atraiçoados por erro técnico; 5. A bomba atómica da gripe feita em laboratório; 6. História macaca provoca demissão em Harvard.» Público

SAVE THE WORLD

FIM DE ANO COM ESPREITADELA À CASA DOS DEGREDOS

Catorze familiares à mesma mesa, crianças correndo, rindo em brincadeiras e vozeios eufóricos e venturosos que valem um galáxia, — cá em casa está a ser assim, harmonioso e feliz, o antegosto do novo ano 2012, com o que contenha de ad augusta per angusta. Bacalhau, penca, molho fervido, salada de frutas, vinhos tintos um pouco mais odorosos e menos a martelo, frutos secos e um ou dois queijos nacionais de deliciosa eleição. E, enquanto venho postar mais alguma reflexão efémera, o mulherio comenta a Casa dos Degredos. Entre ser a Teresa Guilherme — e ganhar o que ela ganha, com o ofício simplificado de cuscar, com gula e com arte , e a denúncia do voyeurismo como calcanhar de Aquiles da espécie humana, voga o tema da conversa mulheriana. Entre os homens, bebe-se e observa-se. A televisão, não há dúvida, é um alvo demasiado entediante para fixar o olhar.

AS SANÇÕES QUE NÃO MUDARAM O REGIME CUBANO

... alterarão um milímetro o odioso regime maligno iraniano?! Não me parece. Ok, o Irão tem um regime beligerante que se constitui numa ameaça gravíssima de impacto regional. Mas por que é que o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em vez de promulgar neste sábado várias leis de defesa que incluem novas sanções às instituições financeiras que trabalham com o banco central do Irão, não opta por seduzir e amar explicitamente o Povo iraniano?! Se, ao contrário do que se passou na Líbia, não há escudo internacional que se intrometa entre o regime sírio e o seu próprio povo esmagado sem piedade, por que motivo usar o povo iraniano como alvo de uma chantagem contra um regime violento, despótico e corrupto?! Não será senão através do Povo que o maléfico e diabólico regime iraniano sucumbirá.

NA IMPOSSIBILIDADE DE EMPALAR A SUA CABEÇA

Resta subscrever o seu epitáfio e sublinhar um conjunto de factos que os portugueses não podem esquecer: «[...] A manha tem tantas fórmulas (más, evidentemente) como as do diabo. Pacheco, o Pacheco que tem dias, resume-o: «à volta dele o desastre absoluto», «mestre da propaganda, mestre no voluntarismo despesista, mestre no dolo, mestre na arrogância autoritária», «o seu nome tornou-se um insulto, cujo pathos ele renova com convicção e zelo, como nas declarações sobre a "gestão da dívida".» E Pulido Valente também: «o que admira neste homem é ele ter chegado a chefe de um grande partido e a primeiro-ministro. Tudo o resto se explica: a ignorância, a irresponsabilidade, o autoritarismo e a noção de que a política era uma forma de teatro. Mesmo assim, ganhou a confiança de gente que devia saber mais e os portugueses só correram com ele no último momento. Irá com certeza ficar como o emblema da decadência do regime.» João Gonçalves

PIP E OS IMPLANTES DO DIABO

O facto de os mercados chularem os povos, numa rasura cega da ética, e de esses povos não terem argumentos válidos senão, tendo sucumbido a governações assentes em propaganda e trapaça anticristã servida com delírios novo-riquistas, honrarem a palavra e os compromissos assumidos, lembra metaforicamente o que se está a passar com a empresa Poly Implant Proteheses. A sede de lucro de uma empresa sem escrúpulos, o desejo de Poder perpetuado de um Governo sem escrúpulos, tudo redunda em desastre, morte, naufrágio alheios, com ampla impunidade dos sorridentes agentes da desgraça. O problema PIP enodoa a paz de muitos e a cratera de dúvidas e angústia alarga-se. A Rocha Moral onde assentava a nossa Palavra e a nossa Esperança Civilizacionais, Cristo, está lá, se soubermos e quisermos sair do Pauis nacional e europeu para que a internacional obscenidade socialista e nihilista nos conduziu: há um fulcro de perfídia desalmada enraizado na Europa e nos EUA. Há que romper com ele. E esse combate humanista está nas nossas mãos.

«ESTRUME DE VACA É OURO»

RUI RIO E EMÍLIA NETO DE SOUSA: É POSSÍVEL!

«O município de Almada garantiu hoje que vai entrar em 2012 com “saldo positivo e sem qualquer dívida vencida a fornecedores e/ou empreiteiros”, sublinhando que considera tratar-se de um “caso inédito no país”.» Público

PCP E O NOSSO TUBO DE ENSAIO AUSTERITÁRIO

Sim, o capitalismo é cruel. Não, o secretário-geral do PCP, que podia ter dito umas coisas olhos nos olhos da Troyka, em devido tempo, não pode mudar a linha de curso no tubo de ensaio austeritário, que é Portugal, embora possa afirmar o que quiser. Em 2012 o seu partido minoritário e fossilizado, será ou não será a «grande força de oposição à política de destruição em curso e de terra queimada do Governo». Os sindicatos e o PCP ficaram para trás e não possuem qualquer argumento construtivo ou convincente como o Pedro da história do Menino e o Lobo. A esquerda sueca e a esquerda nórdica em geral conseguiram muito mais para os trabalhadores e para a sociedade.

LOJA LUSA DOS 300 DE CAO GUANGJING E LIN CHUXUE!

Reparei no mau aspecto total dos gestos não protocolares de António Mexia e Álvaro Santos Pereira:
a tradicional pancadinha nas costas ou mãozinha no ombro dos chineses.
O spin anti-governamental estala de prazer perante explícita declaração chinesa de a EDP se ter tratado de uma pechincha para os chineses, omitindo sornamente, no mesmo passo, o reverso da pechincha: a anunciada abertura a outras oportunidades com um amplo fluxo financeiro redentor. Chinês ou não, o dinheiro é o que é e faz o que faz. Se não podemos contar com a sovinice luterana dos alemães, contemos com quem podemos contar e repolarizemos as lógicas da crise do Euro por interpostos chineses: «"Dado o preço de mercado [da eléctrica] agora, acho que foi barato", admitiu Cao Guangjing na conferência de imprensa realizada após a assinatura do contrato de compra da EDP com o Governo. [...]"Alguns bancos chineses prontificaram-se a apoiar financeiramente esta operação [compra da EDP] e mostraram-se interessados em aprofundar a sua ligação com Portugal", disse o vice-presidente executivo da CTG, Lin Chuxue.» CM

EUSÉBIO A 100%: A NAÇÃO JÁ PODE RESPIRAR!

Boas entradas ao rei d'Eusébio: «O ex-futebolista internacional português Eusébio já saiu do Hospital da Luz, em Lisboa, onde estava internado há 12 dias. "Posso dizer que estou a 100%", disse Eusébio numa conferência de imprensa, depois de ter sido tratado nos últimos dias a uma broncopneumonia. [...] Na sua longa lista de troféus, consta ainda uma Bola de Ouro em 1965 (então atribuída pelo France Football ao melhor jogador da Europa), bem como uma série de vitórias internas, nomeadamente 11 campeonatos nacionais.» Público

PINTO DA COSTA, «ESTRELA CINTILANTE»

Lembram-se do «That’s my man right here!», dito pelo Presidente Obama na manhã da cimeira G-20 à medida que o Presidente do Brasil Luíz Inacio Lula de Silva se aproximava dele, complementado pelo «Love this guy. He’s the most popular politican on earth. It’s because of his good looks.»? Pois, em certo e exclusivo sentido, Pinto da Costa também mo é, como para o Joel Neto! «That's my Man!»: «Talvez tenha sido Mourinho quem demonstrou, em Portugal, que um treinador também pode ser uma estrela. Mas, antes dele, já Pinto da Costa tinha demonstrado que até um dirigente pode ser uma estrela tão cintilante como um futebolista, às vezes até mais do que ele. A homenagem de que o presidente portista foi alvo nos Globe Soccer Awards é justíssima e prova que Pinto da Costa tem uma dimensão internacional nunca antes atingida por outro dirigente português. Eu, se tivesse um produto comercial e quisesse lançá-lo no mercado, mais depressa tentava fazer dele o protagonista da campanha do que José Mourinho ou mesmo de Cristiano Ronaldo. Depois de uma primeira fase de reinado em que teve de vestir a armadura, Pinto da Costa é já há bastante tempo a figura mais "debonair" e "cool" do futebol português. E, para além do mais, o estilo metrossexual já deu o que tinha a dar.» Joel Neto, in O Jogo, Sexta-feira, 30 de Dezembro, 2011

«MOST AMAZING THING I HAVE EVER SEEN IN SPACE»

OUTRO MORDIDO PELA TSÉ-TSÉ FILOCONSTITUCIONAL

Sim, pois, não é do bolso que o Tiaguinho, intelectual de óculos, se queixa. É mesmo da rasura privacidade perpetrada a propósito das ex-SCUT. Será ele um agente secreto ao serviço dos russos concorrentes do chineses opostos aos norte-americanos desdenhosos dos europeus? O Tiaguinho sempre foi uma caixinha de surpresas: «Tudo isto, claro, é complementado por ter sido um governo de direita auto-proclamada liberal a implementar o sistema. Mais vale que nos deixemos de jogos, que rasguemos a Constituição e que demos a chave da porta a um maníaco qualquer. Ao menos acabava a hipocrisia.» TMR

DJ GOT US FALLIN' IN LOVE AGAIN

A NOVA COMISERAÇÃO DO SOCRATISMO RESIDUAL

Os derrotados de 2011 falam que se babam do quadro constitucional que saiu do fim do fascismo e que a Troyka e o Governo Passos põem hoje em causa, insistindo que todas as mudanças profundas para 2012 não são nem consequência da perda da soberania, mas pura sanha ideológica e pura punição gratuita ao Povo, novamente sacralizado pelo socratismo-relíquia em detrimento dos Tachos outrora Mantidos contra todo o escândalo e agora Perdidos. O discurso que subsiste nas línguas de pau pseudo-comiserativas blogueanas do fumegante socratismo insiste nisto, até que a voz lhe doa: a Esquerda Imoderada, Esquerda de todos os Tachos, Esquerda de todos os Negócios Ruinosos para Portugal, [que tem no parisiense Sócrates o seu pária milionário triste, só e incompreendido] não teve qualquer responsabilidade pelo risco de bancarrota em que nos encontramos. A desonestidade silogista de essa Esquerda Comiserativa e Devorista do Erário Português fala em reengenharia social imposta, não pela Troyka nem pela força do Memorando, mas sim pela crueldade política do Governo Passos, cuja insensibilidade social, dizem, se traduz na prometida pilhagem ao Estado e ao bolso dos pobres para dar aos ricos. E é este o discurso que a Esquerda Rapace Socratista definiu a ver se tem voga e alguma propagação e aprovação. Mas os derrotados de 2011 têm mais oferecer: apelam explicitamente ao Povo para que diga não. Essa é nova. Dizer não a quê? Não era esse o Povo aquele para cujo destino os socratistas se estavam a cagar falseando e falsificando quanto pudessem  fim de o anestesiar da realidade?! Povo cujas filhas abortam em abuso da própria lei do aborto, Povo cujas filhas abortam para lá do prazo, cujas filhas, graças à chantagem socratista pré-referendo, abortam repetidamente como método displicente de planeamento familiar, cujas filhas auferem subsídio de maternidade por abortarem, cujas filhas são pagas pelo Estado pelos próprios abortos cirúrgicos. Mas há mais ainda, entre os derrotados de 2011. Consideram que a nulidade Ministério Público se perde com processos inúteis. Quais? Não os que envolvem o execrável Duarte Lima ou o abominável Oliveira e Costa, mas os que cercam de factos gravíssimos Vara e, logo, Sócrates, com o horripilante Face Oculta. Em suma, o socratismo não tem vergonha. Hoje, chora pela defesa dos direitos dos portugueses ou da História e valores do partido socialista, uma história de puro saque e abandalhamento das instituições republicanas, de decadência e contaminação da energia vital do País com o amiguismo espesso da Maçonaria, a assimetria justiciária, a malignidade crassa da Internacional Socialista. Mesmo do PCP, que o socratismo vituperou, hostilizou e violentou no Parlamento, ou do BE, espera-se mais luta. O socratismo sem Sócrates está desesperado: acusa tais partidos minoritários na sociedade e no Parlamento de anestesia, por isso esperam tudo dos polícias, da revolta, das consequências do empobrecimento inevitável, das consequências do SNS low cost, da reformulação de direitos laborais, do aumento forçado da produtividade à custa da escravização dos trabalhadores, da imposição de normas laborais sem qualquer concertação social. Pois. Alegre resumiu o problema: é preciso remover o quanto antes o Governo Passos. Talvez essa revolta permitisse disfarçar e camuflar a verdadeira revolta que fermenta e grassa na sociedade portuguesa e essa é que é a verdadeira revolta. Não contra Passos, não contra Gaspar, não contra a Direita, mas a naturalissima revolta retroactiva contra os filhos da puta dos piratas que sugaram os nossos recursos, a nossa esperança, as nossos impostos, as nossas hipóteses. Os socratistas, anónimos ou com lata para dar a cara de pau, sabem de quem se está a falar.

RAZÕES PARA ACREDITAR NA COCA-COLA

«Não vou brindar com Coca-Cola mas aplaudo-lhe o espírito do seu anúncio natalício "Razões para Acreditar". Os pessimistas dizem que o anúncio é oportunista e eu digo que é só anúncio.» Ferreira Fernandes

CAMINHO DO EURO, LASTRO DE PORTUGAL?

«A saída de Portugal do Euro, ou o desmembramento da zona Euro, tem sido por vezes descrita como uma grande catástrofe para Portugal. Mas não é. Catastrófico é o caminho actual – o caminho do Euro – porque é um caminho de empobrecimento progressivo e sem esperança.[...] Hoje, a economia argentina, que antes estava paralisada como a portuguesa, cresce a uma robusta taxa de 10% ao ano. Nenhuma catástrofe o abandono do peg. Antes, a salvação.» Pedro Arroja

2012, VAMOS DESBRIDAR PORTUGAL

Escusam os socialistas, sintomaticamente detractores de Seguro e nostálgicos de Sócrates, vir com tretas e com a suma hipocrisia de Mário Soares. Não é o Governo Passos que manda completamente em Portugal. Os credores, por interposta Troyka, sim, ditam leis, alterações às leis laborais, reestruturações profundas de todos os tipos e para todos os rótulos, o que quiserem. Quer se queira quer não, há que depurar Portugal de um certo esquerdismo estéril, nada criativo e nada realista e desbridar o Aparelho de Estado da mentalidade mafiosa, tentacular e colonizadora do tal «bloco-centralismo sistémico». A Esquerda hoje compungida «está-se a cagar» para os pobres. Entre definhar uma década com um subsidiismo criminoso socialista estagnador e colocar-nos a crescer segundo bases sólidas e sérias, responsabilizando o maior número de cidadãos válidos pela sua própria vida e pelo País que é o seu, entre ficar chorando e maldizendo a Sorte ou ir a jogo perante mercados exigentes no Oriente, na América, não há escolha. Entretanto, a China vai sendo notícia por tudo e por qualquer coisa. Pelo gorgeous dinheiro fresco e torrencial mas também pela doença: «Um homem de 39 anos, que estava internado num hospital do Sul da China desde o dia 25, morreu este sábado contaminado pelo vírus H5N1, causador da chamada gripe das aves.» Público

sexta-feira, dezembro 30, 2011

DO PORTUGAL PROFUNDO: CAUSAS PATRIÓTICAS 2011

Faço minhas as causas patrióticas do meu bom amigo António, em 2011, algumas ainda válidas enquanto a coragem reformista de quem de direito continuar a tergiversar para minha vergonha: «6. Desmantelamento do socratismo: responsabilização judicial de todo e qualquer duvidosa parceria público-privada, e de todo e qualquer contrato que suscite dúvidas, e envio para investigação do Ministério Público de todos os indícios apurados sobre condutas de governantes; e barrela geral do Estado, com substituição de todos os dirigentes socratinos. Previ em 15-1-2011, neste blogue que «o chefe» ficaria na «posição pária de homeless billionaire, errante, desprezado e só»: não me enganei sobre a afuga e o exílio, nem sobre o nojo que o povo sente, mas ainda falta cumprir o isolamento de Sócrates. O socratismo, sem Sócrates, é um tigre de papel.7. Denúncia da ruína socratina do Estado: após demorada campanha de esclarecimento, o povo compreendeu finalmente a gravidade do problema, visível nos vários PECs, ainda que muitos, pecos, ainda não se tenham arrependido do apoio dado a Sócrates, também por culpa da omissão do novo Governo na denúncia dos desmandos socialistas. Falta ordenar e realizar a auditoria geral das contas públicas, para cálculo da factura socialista e envio para o Ministério Público de todos os indícios de corrupção encontrados. A responsabilização judicial que pretendo não é sequer pelas despesas sem cabimento orçamental, mas pela corrupção. [...]11. Denúncia do bloco-centralismo sistémico, através do garrote do financiamento eleitoral, da corrupção de Estado, dos dossiês de informações socratinas, do pacto tácito de não agressão governamental ao socratismo. Neste sentido, escrevi uma carta-aberta ao Dr. Passos Coelho, presidente do PSD, a lamentar o convite a Mário Soares, em Agosto de 2011, para ser orador na Universidade de Verão da JSD. Mário Soares que tem procurado apadrinhar uma linha bloco-centralista do Governo, de aliança com o socialismo instalado no aparelho de Estado. [...] 14. Denúncia do escândalo das Novas Oportunidades. Uma iniciativa socialista, que continua a durar e dirigida pela facção ex-férrica, do ex-ministro José António Vieira da Silva. Uma iniciativa avaliada pela própria facção que a comanda e com a ponte nos socialistas que imperam nesta área da União Europeia. Não pode haver qualquer compromisso com as Novas Oportunidades, senão o seu encerramento. Depois, importa reactivar o ensino profissional, com avaliação exigente das entidades que o ministrem, e sem negligência dos alunos que o frequentem. A subvenção da cabulice, em que o jovem aplicado nada recebe do Estado, mas se bardar-se recebe subsídio de alimentação e deslocação, tem de acabar de vez.» ABC

DA SUBLIME CORNADURA INTELECTUAL DO ADÃO

Tinha de ser. Tínhamos de apanhar com o triste órfão Adão e Silva, que é a tragédia da opinião e da análise política, demasiado viciada para se suportar sem náusea, na tarefa hercúlea de, não apenas avaliar e absolver o passado político-económico pré-Governo Passos, mas de isentar-se a si mesmo, enquanto opinador, das suas conivências venais e responsabilidades de cheerleader do socratismo que conduziu o Estado à inevitabilidade de extorquir os contribuintes para cumprir as metas acordadas e lisonjear a nossa seriedade internacional, tendo em conta um défice real de 10%, uma divida pública a rondar os 120% do PIB. Adão, lamentavelmente, faz parte do lixo nacional dos opinion makers, fazedores de programas eleitorais. Na SICN, consegue ser isento e lúcido como um flexível prego falante. Para Adão,  não senhor, «o essencial dos problemas que enfrentamos não é nem culpa de Sócrates nem resulta de termos vivido acima das nossas possibilidades». Se Adão o diz, ele que fez parte da claque socratista com toda a testosterona soarista e o empenho facciosos de que foi capaz, temos de duvidar com as vísceras e todo o ser, porque a cegueira do Adão pode muito e não disfarça mesmo nada. Se há dois chatos nas TV e na Opinião, sempre a melgar umas merdas que não têm a ver com nada, é mesmo o Adão e o Pedro Marques Lopes, outra nódoa. Mas Adão não é o único a absolver o passado socratista. Longe disso. Não. Porém, lá vai argumentando flacidamente: «Enquanto o tempo se encarregará de afastar estas explicações, a crise continuará por cá, mostrando a sua natureza persistente e fazendo emergir o emaranhado de causas que a provocou.» Ah, pois. Não foi Sócrates nem foi a dívida. Foi um "emaranhado de coisas". Parece que o Adão captou o espírito da Justiça Selectiva para Homens que tenham abichado milhões, essa Justiça feita à medida de Vara, Isaltino e Sócrates. Arrasta-se e no fim dá «um emaranhado de coisas» sem consequências de maior a não ser o preço. Adão sente dificuldades em passar uma esponja convincente no socialismo dos últimos quinze anos. Estava tudo a correr tão bem: «Para o ano, o Governo já não poderá responsabilizar Sócrates pelo desvio colossal que ocorrerá na receita fiscal (provocado por uma queda do produto superior aos 3% agora estimados)...» Mas não poderá responsabilizar porquê? Porque a memória colectiva e governamental tem um período de validade como os iogurtes, Adão?! «...dificilmente alguém será capaz de, perante um país empobrecido e com desemprego muito elevado, enveredar por um discurso de responsabilização moral, em que se procura culpabilizar os portugueses pela situação em que se encontram. O Governo ficará entregue à sua soberba.» E pronto, nessa altura o Messias dos pobres, Sócrates, poderá regressar para culminar a sua obra. Os socratistas, especialmente jovens imberbes e inseguros de si como Adão iniciados num ganha-pão feito de lealdades caninas e prémios de produtividade, tornaram-se milenaristas e catastrofistas e eis que o kafkiano socratismo pariu opinadores e analistas políticos kafkianos. Sem Sócrates é o fim do mundo e também do Estado Social e é o tsunami final, o miserabilismo nacional inescapável, tal como fora para outros qualquer coisa de semelhante, sem Hitler, sem Salazar, sem Kim Jong-il, sem Lenine. 

FUTRE, O ECONOMISTA VISIONÁRIO DO ANO

«Quem é meu Economista do Ano? Sócios, é isso que vou explicar. O que é que Portugal tem de fazer? Vai qu'ir buscar dinheiro... Ontem vi o patrão da barragem Três Gargantas, Cao Guangjing. Ele é o chinês que comprou a EDP - e fez-me luz! Foi quando ele disse: "Podemos trazer dinheiro e bancos chineses." Sócios, ele é o 20.º jogador do plantel, aquele que foi anunciado num discurso, em Lisboa, a 24 de Março! Na altura, foi dito que vinham aí charters e os portugueses riram-se. E não é que aconteceu mesmo?! Portugal foi buscar sponsors, foi buscar as Três Gargantas. Agora Portugal vai ter comissão de charters... vai ter comissão de bancos... vai ter comissão de barragens... Ontem Cao Guangjing foi recebido no Ministério da Economia e hoje vai ao Ministério das Finanças e vai ser recebido por Passos Coelho... Porquê? Sócios, porque foi feito um Departamento do Jogador Chinês, como foi preconizado no tal discurso em Março. "Portugueses, isto é um projecto de irmos p'ra frente! Vamos ganhar, vamos tar lá em cima outra vez", foi dito então. E agora eu vou ter que eleger o Economista do Ano. Aquele discurso não foi nem do Teixeira dos Santos nem do Constân... sócios... oh sócios... por favor, tou concentradíssimo, não é?, nem pelas falinhas mansas do Gaspar, nem pela sumidade académica do Álvaro - foi dito com os pés por Paulo Futre. Não foi citado pelo Financial Times mas está no YouTube. E, sócios, Futre foi o único que acertou.» Ferreira Fernandes

DANÇA MACABRA — DEDICADO A PORTUGAL 2012

2011, DA ORGIA DEFICITÁRIA À ORGIA EXTORSIONÁRIA

Vencedores do ano.
Portugal decidiu mudar. Os subsídios tomados só aos funcionários públicos e pensionistas farão certamente os milagres orçamentais que a revisão ou renegociação das PPP, com o fim de outras tantas hemorragias gizadas pelo socratismo agónico, jamais conseguirão, mas o que é certo é que uma Constituição que nos não defendeu de primeiro-ministros sucessivos sucessivamente incompetentes, demagógicos e eleitoralescos, teria necessariamente de redundar nesta permissividade [entre vários males escolhe-se o menor] de Cavaco à extorsão prevista, e porventura necessária, para 2012. Se queriam mudar o futuro, teria sido necessário acordar perante todos os sinais de alarme no passado. Não temos tempo para a fiscalização preventiva do que quer que seja inconstitucional neste Orçamento, pois ele é uma Lei de Emergência à prova da compassividade hipócrita d'O Jumento e da falsa misericórdia social do Câmara Corporativa e de toda a Esquerda onanista e piadista. O PS implodiu o País, implodiu ele mesmo, e conduziu a democracia representativa à palhaçada amadora de nos colocar à mercê "dos mercados". Agora teremos de ser corrigidos e financiados por "especialistas", novos china players, novas práticas que reajustem o que chefes de governo absolutamente incapazes, narcísicos, daninhos e facciosos, pariram para os seus próprios povos. Basta isto: enquanto se continuar a tresler o programa Novas Oportunidades como "qualificação" e "investimento [...] para que Portugal volte a crescer economicamente", a cepa nacional, já anquilosada e retorcida, continuará alarvemente torta. 

LOURENÇO E O PRINCÍPIO DO PRAZER

«De dentro da minha pequenez "desculpo" Lourenço por ter sido júri e agora agraciado. O homem pensa bem; ou pelo menos pensou o que já não pode ser dito por muitos que por aí andam, mais novos, de espinha direita e de fato de marca — arengando pevide. Além do mais, a parecença física de E.L. com Salazar e até a sua fala ciciante são acalmantes para mim; e uma espécie de Justiça.» Besta Imunda

BOM ANO À ESQUERDA COR DE AZEITE QUANDO FOGE!

Uma das coisas de que o teste do tempo e da experiência em bloga me impregnou é a capacidade de encaixe, o fair play de ler o que não me agrada nada, desonestidades sem conta, mas tolerar que assim seja. Encaixar o ódio que me votem. Encaixar o insulto que me atirem. Encaixar o que vier e seguir adiante. Também a verdade é que entro com tudo e combato apaixonadamente, com os meus argumentos e linguagem, a clubite básica PS de muitos destes colaboracionistas da dívida socratina e do seu sorna magistério de devastação devorista do Erário. Se a memória das pessoas em geral é confrangedoramente curta, a de muitos destes caramelos é-o hábil, cínica e hipocritamente, além de deliberadamente omissa e obscenamente selectiva, porque muitos deles correm em enxame por si mesmos, agora exercendo o papel filantrópico de Esquerda Misericordiosa das Lágrimas de Crocodilo. Em pouco menos se distinguem das hienas da vida selvagem. São-no da política, volúveis e voláteis, rosnando ao mínimo farejar Poder, coreutas afinados meticulosamente no discurso comum mais conveniente para envenenar, aturdir e confundir os ares primários da turba, tão permeável ao pânico, urdindo a estratégia retórica que eficazmente mine os bons ofícios governativos dos irmãos quase gémeos do PSD e do CDS-PP. Votos de bom ano aos meus queridos inimigos, com os quais, como um bom general, aprendo absolutamente: Câmara CorporativaO Jumento, Causa Nossa, Machina Speculatrix...bl-g- -x-st-, A Carta a Garcia, Lugares Comuns, Da Literatura, Duas ou Três Coisas, Crónicas do Rochedo, Jugular, Bicho Carpinteiro, Fim de Semana Alucinante, Aspirina B, sound + vision, Cleopatra Moon, Banco Corrido, Sem Embargo, Cibertúlia, Mainstreet, A Nossa Candeia, Vai e vem, Puxapalavra, Córtex Frontal, Terra dos Espantos, A Forma e o Conteúdo, fworld, A barbearia do senhor Luís, Esquerda Republicana, Pedro Lains, Random Precision, Praça Stephens, Defender o Quadrado, Léxico Familiar, Direitos Outros, A Forma Justa, Incursões, Correio Preto, Controversa Maresia, Gravidade Intermédia, Margens de erro, Hoje Há Conquilhas, é a vida, A Causa Foi Merdificada, Sítio com vista sobre a cidade.

NELO VINGADA, PRÍNCIPE EM DALIAN, CHINA

«Nelo Vingada, actualmente [...] na cidade litoral de Dalian, na China. Cumprida meia época ao serviço do Dalian Shide, [...] prepara-se para iniciar nova temporada pelo mesmo emblema. "É a equipa que ganhou mais campeonatos profissionais na China, mas nos últimos anos não tem andado grande coisa", conta sobre o Dalian Shide, clube detido por um "gorduchinho" que tem um banco e as maiores fábricas de PVC da China. Vingada não é o único técnico português actualmente no país mais populoso do mundo. Jaime Pacheco e Manuel Barbosa também andam por lá. Nesta entrevista, o antigo técnico da Académica e Marítimo conta-nos não apenas a sua experiência no Extremo ORiente, mas um pouco do que viveu pelos países tão diferentes por onde já passou. [...] Está desde Julho na China. Está a gostar? Sim. Tenho sido muito bem tratado. As pessoas fazem uma ideia errada da China, imaginam os chineses a andarem de bicicleta e não é nada disso. Conduzem grandes carros, moram em casas óptimas, os aeroportos são todos novos, os hotéis fantásticos, os estádios onde vamos jogar com altíssimas condições, tudo ao mais alto nível. É claramente um país em crescimento... Nunca vi tanto dinheiro nas mãos das pessoas. Os supermercados e os centros comerciais sempre cheios. Há ruas inteiras só com lojas de marcas. Compram, compram... Em Dalian não se vê pobreza, há lá fábricas da Goodyear, da Intel e da Volkswagen. Os chineses têm excedente de dinheiro e querem aplicá-lo. Acho que vão ter um papel importante na recuperação da crise europeia. E de portugal também. Já vão comprar parte da EDP...» Nelo Vingada, entrevista a Ana Proença, in O Jogo, Quinta-feira, 29 de Dezembro, 2011

VIDA DE CAO GUANGJING NA GORGEOUS 3 GORGES

Isto, ao mesmo tempo que assusta, dada o começo de penetração amarela nos nossos ressequidos centros de decisão, não deixa de constituir qualquer coisa de estimulante e promissor. Será, porventura, o odor a dinheiro. Daí que quando o presidente da China Three Gorges, Cao Guangjing, e o presidente do conselho de administração da Parpública, Joaquim Reis, assinam o acordo que dá o primeiro passo formal para a aquisição de uma participação do Estado de 21,35% na EDP, isso basicamente significa a instituição de uma lógica de vasos comunicantes: se os capitais chineses fluirem torrencialmente pela migalha territorial e populacional portuguesa, sem que os irmãos europeus tenham voto na matéria, inaugurar-se-á outro ciclo. Foi-se o da pimenta, o dos escravos, o da cana do açúcar, o do ouro e pedras preciosas do Brasil, [...] o dos fundos comunitários, tudo sucessivamente dissipado e esvaído por entre os dedos, e começa este em que somos nós, talvez pela primeira vez, o filão de outrem, fenda por onde outrem entra e avança.

DO BENEMÉRITO ESTRATO ESQUERDÓIDE

«Recorreram ao truque de alegar o estatuto de "refugiados políticos"  aí sim, tentaram meter 'os papéis' a tempo. Não ter papéis e visto é um drama, mas tem de haver alguma ordem. Não acredito no Eden Global  onde todos podem ir e permanecer em todo o lado; é insalubre e mentiroso. Por cá, o truque do "refugiado" funciona de vez em quando porque existe um estrato esquerdóide que toma a Nuvem por Juno nestas questões de Lei e Ordem. Ainda me lembro do caso Vuvu Grace que se deu na Portela e que levou Vera Jardim, Maria de Jesus Barroso e outros golpistas e capitalizar nas TêVês de então à custa da pobre mulher. Entretanto, milhares de outras Vuvus vadiaram pelos aeroportos em alturas de governos-súcia; e nem uma palavra se ouviu a esses beneméritos.» Besta Imunda

GLÓRIA AO CORCOVADO NAS ALTURAS!


METER OS PAPÉIS CONTRA A EXPULSÃO DO ÉDEN

Parece que negligência prolongada por orelhas moucas à Lei local não compensa, especialmente em sociedades rigorosas e organizadas, como a canadiana. É melhor meter os papéis a tempo e a horas, antes que, entre lágrimas, baba e ranho, se ande por demais aos papéis, para não dizer ó-tio-ó-tio. Depois, para além de tudo, parece que o mediatismo exacerbado de um só caso, dentre setecentos, institui um princípio de excepcionalidade lacrimosa que tanto pode parir "cátias" e "marcos", com o seus lúbricos movimentos pélvicos e destreza bucal, como parir uma casta de indivíduos afinal mais iguais que os demais. Tão iguais que por eles se atravessam primeiro-ministros, dirigentes autárquicos, Governos Regionais, talvez Papas, todos juntos, contra essa espécie de corredor da morte que é uma expulsão do Éden.

EMPASTOU, EMPESTOU E REFORMATOU A EDUCAÇÃO

«Citando um ilustríssimo e honesto ex-aluno: "...esta coisa de agora se dizer que Portugal, Espanha, pequenos países, têm que pagar a dívida é uma criancice; as dívidas não se pagam  pelo menos foi assim que eu estudei...durante algum tempo (onde?)...; as dívidas dos Estados são por definição eternas. As dívidas não se pagam, gerem-se!...". Assim, também para este asqueroso a Escola, o Ensino não são para aprender; são "para andar lá" e, por definição, uma burocrática etapa finda a qual o resultado é garantido administrativamente  como o 'rendimento' do outro. Pinto-de-sousa levou a ilegalidade e o expediente para onde se deslocou: com alma de bandido, com espírito de aldrabão, com truques de sovaqueiro, com práticas carteiristas do intelecto, sócrates empastou e reformatou a educação e o ensino à sua imagem e semelhança de golpista.» Besta Imunda

RELAPSOS NA CRIMINAL LOUCURA PINTO-DE-SOUSA

«Os soares, os adões, os alegres, os tó-zés, os jardins, os proenças e os da silva, os zorros e os zorrinhos, os inventores e os chulamente-montados-no-orçamento, os nicolaus, os ricardos e os balsemões, os jornalistas e os opinadores, os das juntas e os das comissões  todos protestam e juram a pés juntos que seria possível (na perfeição!...) ter estas falas soberbas para com os nossos credores e prestamistas: "ora nós, para continuarmos a viver, precisamos de Tanto; mas exigimos continuar na mesma, e mudar NADA no nosso modo de vida. Por isso passem para cá o dinheiro"; e "eles", a tremer das pernas, passavam. O Estado Social, tal como o conhecemos, nasceu em alturas de crescimento económico de dois dígitos, em alturas em que as mulheres começavam a entrar finalmente no mercado de trabalho, em alturas em que as matérias primas eram baratas, em altura em que havia muito mais 'novos' do que 'velhos', e em que as reformas eram pagas ao longo de 6 a 7 escassos anos (após os quais o beneficiário esticava o pernil com rapidez e sem ressonâncias magnéticas...); mas nada disto existe mais. Ignorar estes factos não é só fantasia; é uma irresponsabilidade que bordeja a criminal loucura de pinto-de-sousa. O barrete serve até onde cada um aceitar.» Besta Imunda

quinta-feira, dezembro 29, 2011

NAS CINZAS DAS NOVAS DESEMPREGABILIDADES

Tarda, mas não falha a cessação de tretas e fábricas de salsichas à moda da Independente: hoje vinte. Amanhã o embuste por inteiro, disfarce-se como se quiser. O estigma existe e o filtro segregador aperta muitíssimo mais: «O Ministério da Educação e Ciência afirmou hoje que são 20 os centros Novas Oportunidades que vão fechar, 14 por não terem cumprido “metas contratualizadas” e seis a pedido dos próprios promotores.» Público

PORTUGAL CREDOR DE ANGOLA

«Portugal é credor de Angola (Angola está encalacrada a Portugal, imagine-se); Angola já não tem guerra civil e enriquece os corruptos do regime (filhas, sobrinhos, generais e 'viajantes') com o dinheiro do petróleo  dinheiro sobrante das 'operações' chinesas e americanas. Portugal dá (deu) dinheiro a Dos Santos para que Dos Santos (oleoso de crude até às órbitas) se digne a pagar PARTE das dívidas que Angola tem para com empresas privadas portuguesas; aconteceu no 'reinado' de pinto-de-sousa. Quanto à "cooperação" de Portugal com Angola é 'nada estratégica' pois fazem de nós gato sapato, enquanto acolhemos estudantes e formamos médicos e professores. A "lusofonia" tem tido  em Angola  praticamente só um sentido: de 'cá' para 'lá' no lucro e no benefício. Ao menos que se vão aguentando as privadas em Angola porque em termos de Estados somos desrespeitados: a espanhóis e suecos, Angola paga a tempo; a nós não paga de todo. As Moody's e outras dão certamente quase AAA a Dos Santos (pois o incumprimento para connosco não interessa). Entretanto Isabel compra (para si) cadeias de farmácias, lojas, bancos, petrolíferas, empresas portuguesas à beira de precisar de 'tesouraria'. Pelo menos a China está praticamente transformada num "doador internacional"  distribuindo ordem de compra a torto e a direito. À Europa, já nem a prata dos morgados lhe sobra.» Besta Imunda

AID BRASIL: POBRES BRITÂNICOS A EMPOBRECER!

Good times: Brazil, famous for its carnival in Rio de Janeiro (pictured),
overtook Britain in the world's economic league table.

Entre enviar emigrantes e dinheiro, os britânicos, que também terão de apertar o cinto, nunca tiveram dúvidas, Mas agora, por isto e por aquilo, têm sempre muito do que se queixar, como se lê no título em inglês: «It's nuts! Revealed, how Britain is STILL giving aid to Brazil - even though it's richer than we are: Taxpayers are funding aid to Brazil even though it has become richer than Britain, Whitehall officials admitted yesterday. Millions has been handed over in development aid in recent years despite the rapid rise of Brazil to the top rank of world economies. And money is still going to the Latin American powerhouse in the week it was revealed to have overtaken Britain in the world’s economic league table.The continuing aid to Brazil comes against a background of deepening criticism of the Coalition’s foreign aid plans and its determination to keep raising spending on development in supposedly poor countries. David Cameron and his ministers are pledged to raise aid spending, currently worth £9billion a year and 0.57 per cent of national income, to 0.7 per cent. Aid spending went up by £1.24billion in the last financial year alone.» Steve Doughty

DECISÕES SALOMÓNICAS NUM PAÍS SEM TROYKA

«Decisiones salomónicas. Esa parece la aptitud del Gobierno ante la búsqueda de soluciones para los problemas del sistema financiero español. El Ejecutivo, junto al Banco de España, tiene ya gran parte del diseño de la hoja de ruta a seguir para acelerar la reestructuración de la banca.» Cinco Días

UMA HEMORRÓIDA INTELECTUAL E A CONGÉNERE

Ver JPP citado, com gula, por estes terroristas devastadores, ambiciosos sem escrúpulos, depravados intelectual e moralmente, como os Bórgia, diz mais do desnorte e do desatino de JPP que qualquer outra coisa.

SOARES, UMA ESPÉCIE DE BISPO DA BANCARROTA

Ora vamos lá analisar, pela enésima vez, o magistério de influência nula e estafada de Mário Soares, na sua velhice erecta, cheia de tesão a defender o Primadonna naquela clubite passional que relega para longe, bem longe, o País. Ei-lo agora misericordioso com o Estado Social fodido por aquele, em pleno Não-Há-Dinheiro. Há poucos anos, éramos bombardeados com o facto consumado e consumido de não haver alternativa a Sócrates, Sapateiro da Independente, e a uma práxis económica opaca, devastadora, sem qualquer escrutínio no seu amiguismo putrescente. Mas isso agora não interessa nada aos escandalizados de última hora. Alguém lhe pergunta, a Soares, na enfadonha entrevista no DN: «Choca-o esta política em que se fala de que é preciso o empobrecimento do país?» E Soares, que tem tudo a ver com isto, que apoiou, com toda a testosterona de que é capaz, o empobrecimento implícito à Mentira Ambulante, em 2009, responde placidamente, repetido coreuta maçónico-internacional-socialistóide: «Absolutamente. Trata-se de um erro fatal. Sem desculpa!» E o perguntador volta a perguntar, muito no estilo catastrofista e 'continuista' do Pedro Adão e Silva, órfão de onde se apoie sem o seu peluche-de-dormir, Sócrates: «Este momento marca definitivamente o afastamento ideológico entre o PS e o PSD?» É preciso ter um País inteiro, passento, é certo, mas cuja memória está abaixo de zero e ainda mais abaixo de merda para não obrigar o Velho Soares da Descolonização Catastrófica a evocar obrigatoriamente os quinze anos de antecedentes socialistas assassinos do Estado Social e do Diabo a Quatro: «Não se pode dizer isso porque há muita gente do Partido Social Democrata que, como se sabe, está muito crítico pela forma como este governo tem estado a governar. Sem uma estratégia clara para o futuro.» Se se está a referir-se a Pacheco Pereira e a Manuela Ferreira Leite, bastantes suspeitos em matéria de misericórdia e sensibilidade social, recorde-se a magnitude horrorosa dos ajustes de contas do ferreira-leitismo/pacheco-pereirismo, velhas questiúnculas internas, os maus fígados e as incompatibilidades muito pessoais.

«O "NOSSO" SOCIALISMO ACABOU»

«Jardim  o rei dos palhaços despesistas  chamou (atreveu-se como é seu costume a chamar) "Salazarinho" a Vitor Gaspar. É sintomático e bom sinal; com a monstruosa dívida madeirense a somar-se à monstruosa dívida Guterres-Durão-Sócrates, não há outro caminho senão o controlo das mesmas pelo Ministério das Finanças. Autonomia é muito giro  mas sem responsabilidade, e só orientada por gestão pirotécnica, dá no que se sabe. No fim o problema é sempre o mesmo: não há dinheiro   nem para fogo-de-artifício, nem para regalias apoiadas em fantasia, nem para palhaços. Quase todo o País-funcionário tem andado a fazer de "sindicato dos maquinistas da CP" ao longo de décadas, mas agora que os "outros" não nos emprestam dinheiro, o "nosso" socialismo acabou.» Besta Imunda

U2 — LOVE IS BLINDNESS (SOLO DE EDGE)

MIGUEL GASPAR EM FORMA DE EJACULAÇÃO PRECOCE

Uma coisa em forma de cadáver intelectual adiado, Miguel Gaspar, veio dizer hoje no Público umas coisas que demonstram má fé ou distracção deliberada, coisa em que os mais nostálgicos fãs do socratismo são pródigos: olham para o presente com uma raiva, um desejo milenarista de fim de tudo, com Alegre a derrubar poeticamente o Governo por causa da abertura do jogo franco e minado da emigração por parte de Passos. O opinador Miguel Gaspar ou Gastar, repito, cadáver intelectual adiado, considera em forma de ejaculação precoce, ser Álvaro Santos Pereira um ministro em forma de heterónimo. Mas é tão cedo para essas conclusões. Não é o Basílio Horta, ex-presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo, muito mais heterónimo, infinitamente mais plágio de nulo, incomparavelmente mais pseudónimo sérvulo de Sócrates e não serão os seus milhões ajustados directamente mais escrutináveis nesta fase?! Não me parece que os apóstolos da dívida possam cagar leis contra os supostos apóstolos possidónios da austeridade em vigor. Certo é que se Vítor Gaspar é aquele que os jornais elegem como figura do ano, à frente do primeiro-ministro Passos Coelho, no topo dos rankings de popularidade dos ministros, isso resume por onde deve meter Gaspar a opiniãozinha de hoje. Vale mais um Ministro das Finanças, realista e honesto, que mil ladrões optimistas e sorridentes, enquanto dissipam o dinheiro do presente e o dinheiro do futuro. Não há dinheiro, não há palhaços. Os palhaços desarmaram a tenda com o colapso tardio do socratismo bancarrotista. Álvaro pode falhar um milhão de vezes. Será incomparavelmente melhor e mais benigno que o mais benigno, ainda assim passento e mau, ex-ministro do socratismo. Talvez Amado.

MAIS UM PADRE NA MISSA NEGRA NORTE-COREANA

Suspeito que Kim Jong-il já estava morto há meses, mas a organização das exéquias, dos choros em massa bem coreografados naquele histerismo treinado ao espelho, exigiu um compassito de espera. Pode dizer-se que festa funérea correu muito bem: «Kim Jong-un, filho do falecido Kim Jong-il, foi nesta quinta-feira aclamado em Pyongyang como o novo “líder supremo do Partido, do Estado e do Exército” da Coreia do Norte.» Público

EL DORADO BRASILEIRO E A ESQUERDITE ROBÓTICA

Não importa se o Governo controla ou não controla os números dos portugueses que saem e, entre várias opções, demandam o Brasil como novo território de oportunidades e vida mais próspera, longe das depressões, paranóias e esquizofrenias europeias, parte delas típicas da velhice com o seu espírito sitiado e avaro, por natureza. Há uma crise demográfica em Portugal que atesta o desastre da corrupção e da vergonha de sucessivos governos incompetentes, supremamente demagógicos. O Brasil é um caso completametne à parte no que respeita ao êxodo português em decurso. Não compreendo aí o Tiago, mimalho de Esquerda, na sua esquerdite robótica que se exercita e se exerce como a lei da gravidade: o que é que este Governo tem a ver com isto?! O certo é que o Brasil se impõe economicamente por si mesmo e com números impressionantes: se atrai os portugueses, não atrai somente portugueses. Não é lá que está todo o dinheiro, pois a China é que o tem quase todo a título planetário [acabei de ler uma entrevista a Nelo Vingada, n'O Jogo, bastante esclarecedora desse ponto]. Mas é lá que os negócios florescem e as oporunidades se alargam, facilitadas pelo enorme continente da Língua Portuguesa que a estupidez burocrática lisboeta quer nivelar em brasileirês abortográfico. Tivesse Angola a mesma capacidade de absorção imigrante e a mesma "energia prosperitária" brasileira, já lá teria não cem mil, mas duzentos ou trezentos mil portugueses com ganhos internos óbvios quer em práticas e quer em competências profissionais: só na primeira metade deste ano, mais de 50 mil portugueses pediram residência no Brasil e multiplicam-se os trabalhadores ilegais. Ok. Mas também abundam os pequenos empresários portugueses no turismo e restauração um pouco por todo o litoral nordestino, fenómeno com mais de uma década. Habituei-me a ouvir dos meus amigos brasileiros uma insistente proposta, quando estive lá, há meses: «Portuga, fique. Aqui se cria tudo. Qualquer semente atirada à terra se converte em árvore. Nada falta. Fique, Portuga.» Eu sorria e dizia: «Ainda não chegou o momento, Brasuca!» Não foi desta que experimentei uma estadia mais prolongada. Tudo tem o seu tempo. Para partir ou ficar, move-me o amor, a necessidade, mas também a solidariedade familiar, coisa sagrada para quem, como eu, não concebe exilar os pais num criminoso lar Maquineta de Fazer Espanhóis. Não basta o odor a mudança feliz.

UMA LUZ AO FUNDO DO TÚNEL XENÓFOBO ESPANHOL

«O novo governo espanhol, chefiado pelo conservador Mariano Rajoy, foi recebido com alguma desconfiança pela Imprensa desportiva da Catalunha. O anterior primeiro-ministro, José Luís Zapateiro, nunca escondeu a sua paixão barcelonista e os elogios aos actuais jogadores do Barcelona ("Uma equipa lendária", afirmou recentemente). As inclinações de Rajoy serão outras. O novo chefe de governo tem relutância em admiti-lo, mas a verdade é que o galego Rajoy, de 56 anos, é sócio do Real Madrid há mais de 25 anos (ele prefere relembrar a sua admiração pela equipa do Pontevedra que encantou a Espanha nos anos 60; também é accionista do Celta e diz-se adepto do Deportivo). De acordo com uma investigação publicada no diário "AS", a esmagadora maioria dos novos ministros é "madridista". "O Real recupera peso no novo Governo", suspirou de alívio o jornal da capital. O mais ferrenho é provavelmente o novo ministro da Educação, Cultura e Desporto, José Ignacio Wert, um sociólogo que escreveu crónicas onde fez uma defesa apaixonada do Real Madrid e das suas estrelas Cristiano Ronaldo e Mourinho. Na altura, Wert criticou duramente o treinador do Sporting Gijón, Manuel Preciado, a propósito da polémica que este manteve no ano passado com Mourinho (o treinador português lamentou o facto de o Gijón ter jogado em Camp Nou sem oito titulares; Preciado respondeu chamando "canalha" e coisas piores a Mourinho). Nesse texto, José Ignacio Wert aproveitou a oportunidfade para fazer comentários sarcásticos relativamente à política de contratações do Barcelona (com referências aos "flops milionários Ibrahimovic e Chygrynsky) e criticou duramente a "mescla de xenofobia e de esse absurdo sentido de superioridade com que tantos espanhóis abordam os nossos vizinhos do Oeste". "Quem me conhece sabe bem que sou um 'hooligan' madridista", escreveu Wert há dois meses. Uma frase que a Imprensa catalã adora repescar agora a propósito de tudo e nada.» Paulo Anunciação [Little Portugal], in O Jogo, Quarta-feira, 28 de Dezembro, 2011

quarta-feira, dezembro 28, 2011

DA HIGIENIZAÇÃO NÃO SIGILOSA DAS SECRETAS

Agrada a extinção das gorduras departamentais dos gordurosos serviços secretos, SIS e SIED, com a exoneração de funcionários que, furando as suas obrigações deontológicas a troco sei lá de que cobres, expuseram à comunicação social, no Verão passado, factos melindrosos para os serviços e para outros colegas, rebaixando abaixo do reles e do hilariante o suposto secretismo dos serviços secretos. É duvidoso que no jogo político em decurso na envolvente das eleições de Junho de 2011 estivesse em causa qualquer cumprimento do dever perante lei e República nos que denunciaram colegas. Teria de haver muitíssimo mais em jogo que somente toda essa pureza chibante. Vida nova e novos ares no SIS e SIED, portanto.

PINTO DA COSTA, GESTOR DOS GESTORES DE HOMENS


E ávido gourmet de mulheres. Intuitivo e sagaz, é natural o reconhecimento porque nunca tão poucos com tão pouco foram tão longe como ele e o FC Porto, já para não falar de um currículo vitorioso a todos os títulos ímpar no mundo inteiro. Ainda não foi desta que Vieira se viu 'reconhecido': «Pinto da Costa distinguido com o prémio carreira nos Globe Soccer Awards. [...] A distinção foi entregue ao presidente do FC Porto por Fabio Capello, seleccionador de Inglaterra, na gala que decorreu no Armani Pavillion, no Dubai.» Público

JURISPRUDÊNCIA DO SEXO À BRUTA SEMICONSENTIDO

Para começo de conversa, o absolvido nos tribunais do crime de violação de uma doente grávida, a quem tratava uma depressão, não deveria ter sido absolvido. Apele-se. Mas estou com a Ana Matos Pires-soccratino: o psiquiatra do Porto não deveria ter de enfrentar agora o julgamento supletivo dos seus pares: anda-se a inventar uma coisa inteiramente nova, fazendo jurisprudência na Justiça e jurisprudência na OM: Conselho Disciplinar do Norte propôs recentemente a sua expulsão, a sanção mais grave e que raramente é aplicada na profissão. Não terá havido nada, mas mesmo nada, nada de grave no longo passado da OM a suscitar, enfim, expulsões?! Foi sempre assim tão imaculado? E não está aqui em questão a monstruosidade do que se imputa ao "psiquiatra" tarado, gourmet sexual oportunista do Porto.

ELE VEIO TRAZER A ESPADA

De todo o tipo de padres planetários, rabinos e imãs podemos esperar o máximo de esmero nas operações de limpeza que a história documenta, além de um proselitismo assediador. É habitual quezílias na Basílica da Natividade, Belém, na Cisjordânia. Ano após ano, os padres ortodoxos gregos e os padres e monges arménios pegam-se, umas vezes com esponjas, outras com velas. Cumprem a tradição de zelo e amor pelo solo sagrado. Apenas a nota encantadora do uso de vassouras como armas, desta vez. «Não julgueis que vim trazer paz a Terra.» (Mateus, 10: 34)

CHOQUE EMIGRANTOLÓGICO — UM PAÍS A RENEGAR

Se não é, parece. Torna-se claro que não foi Passos a inaugurar o discurso da debandada, sugerido ou explicitado, apesar das pesadas implicações e da redobrada responsabilidade de tocado no assunto, dando aso ao escândalo dos mais probos pater familas, sentados no café, a imprecar sua excelência o PM com raiva: «Dizer aos nossos filhos que devem emigrar é sinal de fraqueza!» — dizem. Debandar de Portugal é o que é e tem a taxa avassaladora que tem, pois sair sempre constituiu intuição nossa de sempre, espécie de renegar pária da Pátria estéril e exploradora dos soldadores de Matosinhos (sobrecarregados e mal pagos) e dos operários de máquinas no interior Norte. Debandar à toa, por tentativa e tentação, de um sair raivoso surge novamente à tona, apenas porque a dignidade que se busca timidamente por aqui pode ser buscada de modo mais desabrido por . Aliás, quem fica, arrisca-se a converter-se noutra coisa: nesses raros aldeões velhos que foram ficando e ficando. Um dia destes somos eles. Com um dentinho em cima e outro em baixo, especados a ver chegar os estrangeirados.

O OCIDENTE NÃO REAGE À REPRESSÃO CHINESA

«CHINA’S COMMUNIST RULERS are ringing out December in a flurry of paranoia and repression, a fitting coda to a year of steadily decreasing tolerance for open dissent and discussion. On Friday, authorities sentenced Chen Wei to nine years in prison. Mr. Chen's “crime was heinous, and influence vile,” the judge declared. And what was his crime? Writing essays. Because he advocated democracy — and has done so since he was first imprisoned for his role in the Tiananmen Square protests of 1989 — a judge found Mr. Chen guilty of “inciting subversion.”» The Washington Post

COMPUNGI-VOS POR KIM JONG-IL, VERMES DO MUNDO!

UMA VALA PARA OS "MARCOS" E AS "CÁTIAS"

«Neste País que amo, neste Portugal que defenderia até me serem amputados os dois pés por excesso de permanência em trincheiras infectas  ou até perder a vida metralhado e gaseado com "fogénio" — subsiste, persiste e medra um tipo de 'pessoas' que veria de bom grado todas enfiadas numa vala com cal por cima, Deus me possa alguma vez perdoar na sua infinita bondade e indulgência: são justamente os "marcos" e as "cátias" e os seus mentores (lanistas do Séc. XXI, mercadores de escravos e de chacinas do circo-cardinal-da-democracia). Nada disto tem relação com pobreza, nem sequer com extrema pobreza ou modéstia: existem legiões de gente pobre mas decente; de gente sem vintém mas com vergonha; de gente sem estudos mas com valores e educação. Infelizmente, este horrível espectáculo-do-cu-do-broche-e-do-peido que a TVi espalha como estrume contamina cada vez mais pessoas. Na ausência de bons e verdadeiros exemplos, e na quase proibição de os difundir quando existem, as televisões latrinárias vão formando, enformando e formatando os telespectadores em basbaques  de encéfalo puramente reptiliano. Se José Pacheco Pereira quer realmente mergulhar bem fundo na depressão e no abismo da revolta, então que preste mais atenção a este tipo de coisas (o seu "KuntraPunctus" não chega); e ainda mais o atormentará pensar que, segundo estatísticas, existem mais de 975000 portugueses com mais de 75 anos  enquanto que cidadãos com menos de 14 anos são uma minoria... Isto sim dará motivo a Pacheco para errar, por entre os salões sombrios do solar do seu avô-navegador, presa de uma angústia imensa e deprimido como um condenado.» Besta Imunda

BOA SÁTIRA DE PINA AO EMPINANÇO IDEOLÓGICO

«Informam o "Rodong Shinmun", jornal oficial da monarquia marxista-leninista Kim e o órgão do Partido do Trabalho da Coreia que, mal se soube do passamento do amado ditador, um grou voou três vezes à volta de uma estátua de Kim Jong-il e duas pombas bicaram a janela da dependência de uma fábrica de cimento onde os operários faziam compungidamente o luto pelo extinto, pondo-se depois "nos ramos de um pessegueiro a chorar durante meia hora". Noticia por sua vez a Rádio Pyongyang que uma ave branca não identificada (pode muito bem ter sido o Espírito Santo, de qualquer modo era algo "maior que uma pomba" e menor que um avião de reconhecimento americano) "limpou a neve que cobria os ombros de uma estátua do líder". [...] Espera-se uma nota do PCP condenando a ingerência da Natureza nos assuntos internos da República Popular Democrática da Coreia.» Manuel António Pina

KATY PERRY — THE ONE THAT GOT AWAY

BLOGUES DO ÂNUS II

«Você, meu Caro Joaquim, tem quase totalmente razão: não se engana nos 'critérios' e nos clubismos; e nos sectores e partidos representados. Está talvez a menorizar algo que não é menor: se as TêVês  neste caso a TVi24 e o "Combate"  congregassem livre e pluralmente todas as tendências, autores e sentires  possibilitando-lhes a expressão livre  ao outro dia teriam o raspanete, a censura, a vingança, a represália, a ameaça, o "corte" na publicidade e a imposição de "critérios e redactores novos". E não só vindos do dito Poder (eventualmente o Governo ou respectivos sectores); mas talvez e sobretudo de partidos, empresas, empresários, homens da pasta, moços-de-recados-dos-regimes, amigos e cunhados, pedreiros, vultos e 'Bancos de Angola' (só para dar alguns exemplos). O "Combate" reflecte apenas o que o resto da programação desses canais é: um compromisso e limites que não convém ultrapassar. O Tempo de Salazar era plúmbeo e vigiado, com regras férreas e represálias; mas este tempo é o das ameaças encobertas, o dos poderes não-oficiais, o das vinganças mafiosas, o das autoridades difusas e furtivas. É a democracia à portuguesa. Por tudo isto, meu caro Joaquim, é bom lembrar-se que aí no Porto, talvez por reacção secular, existem e resistem outros fechados 'lóbis' na Arquitectura, na Engenharia, na Advocacia, na política; se calhar até nos canalizadores (picheleiros). Por experiência pessoal, sei que tentar trabalhar/projectar no Norte - para mim, vindo do Sul  é ainda mais difícil do que obter uma audiência com Sua Santidade o Papa. Mau para a Liberdade, mau para o pluralismo, mau para Portugal.» Besta Imunda

FANTASIA FUNÉREA PARA AS BANDAS DE KUMSUSAN

Quem me dera prostrar-me pantomineirescamente no mausoléu Kumsusan, em Pyongyang, e fazer uma grande pândega, parodiar-vos a todos, troçando ostensivamente das lágrimas de terror tanto mais coreografadas e mais frementes quanto mais aflitivo e amedrontado o vosso íntimo geral completamente virgem do Mundo. Quem me dera fazer como o bêbado das bandas musicais e ir à frente ou ir atrás dos carros fúnebres onde Kim Jong-il jaz morto e apodrece na sua putrescência natural de há tantos anos, cambaleando e brindando com um copo de Porto, durante a tal salva de vinte e um tiros da praxe e urinar nas rodas da limusina que transportou o caixão preto coberto com a bandeira vermelha do Partido dos Trabalhadores da Coreia. O partido único do país merece que eu brinde e urine descompondo a pompa e o luto com o tom festivo que se impõe, uma vez que o Céu está em festa: o pecador, arrependido ou não, já não pode pecar. Deixem-me saudar a guarda de honra enquanto desfilar diante do caixão! Deixem soltar gases e dançar sambas, salsas e rumbas toscos, durante o hino nacional interpretado por uma orquestra militar. Não me impeçam de atirar-me ao teu pescoço, Kim Jong-un, herdeiro designado de Kim Jong-il! Que eu possa entreter-te e passar-te rasteiras jocosas, enquanto caminhares com uma mão sobre a limusina fúnebre e a outra erguida em saudação, pois nada é mais belo que, à passagem do cortejo funéreo, amontoar-se essa multidão frígida, baça, cinza de norte-coreanos que vai chorando e caindo de joelhos, em desespero, em vez de amotinar-se. Saúdo-te, Jang Song Thaek, tio de de Kim Jong-un e cunhado de Kim Jong-il, e a ti também, almirante Ri Yong Ho, que és o terceiro elemento do triunvirato de poder na Coreia do Norte! Amo-vos como se não fizésseis parte do mundo. Porque é belo que se morra de fome na Coreia do Norte e mais ainda que não haja dívida pública, mas superavit em subnutrição crónica. Não sei o que palhaçadas e danças macabras promoveria diante de vós, restantes filhos de Kim Jong-il, Kim Jong Nam e Kim Jong Chol. Dizem as crónicas que não fostes vistos no funeral. Temos pela vossa tosse.

ELES VÃO ALÉM DA PORNOIKA!

Todos nós gostamos de sexo. Muito e do bom, com arte e com alma. Tratando-se, porém, de TV, isto é,  do poder de dar pérolas ou dejectos ao País, e optar por dar-lhe lavagem porcina em prime time como único nutriente, a gravidade é letal. A TVI e os seus títeres movidos a fumos de fama sob a esperança de proventos fáceis garantidos foram além da pornoika. Temos a sociedade básica nacional que merecemos. Definem-nos bem esses programas que capturam as atenções de crianças ainda há pouco de colo, essas figuras imbiografáveis que concitam idolatria. A máquina de ficção nacional chamada TVI e a tal casa sigilosa triunfam. Quanto mais Cátia e Marco, melhor. Para quê ires sorrateiramente e em silêncio absoluto, Cátia, ao quarto do Marco para premeditadamente começares a fazer sexo oral e a masturbares o pasteleiro?! Podias ter avisado com antecedência. O porno costuma ser planificado e obedece certamente a um esquema. As crónicas do evento rezam que tu, a algarvia Cátia, [e sublinhe-se que venderás infinitas farturas na barraca armada pela TVI à conta de atrevimentos televisivos como esse], sem pudores, levantaste o edredão e protagonizaste cenas quentes com o Marco, que é pasteleiro. Foram tão escaldantes, que conduziram o vídeo íntimo a ser retirado do YouTube. Se a mamã da menina, Manuela Palhinha, apanhada de surpresa, não quer acreditar nas cenas protagonizadas pela filha [estranhará um gastrónomo berbigão?!]: «Ai, meu Deus, não acredito... Atingi os meus limites. Já não tenho cabeça para nada.», imagine-se a reacção do pai, dos avós, ou, por outro lado, o contentamento das agências de publicidade, as oportunidades das revistas cor-de-rosa, o filão farejado pelas marcas. Isto pode ter impacto planetário. Um pequeno esforço bucal da Cátia, um grande passo para o vale tudo numa TV ternurosa e de família.

BLOGUES DO ÂNUS

Que posso eu dizer acerca do Combate de Blogues ou Basbaque de Blogues e do respectivo concurso parolo? Ânus lisboeta! Sendo orgulhosamente portu-gaiense, portanto periférico por natureza e nascimento, olho com escárnio todas as iniciativas exclusivas e exclusivistas sulistas, elitistas e liberalóides, na política, na economia e na bloga triunfal e mais visitada, espelho das lógicas hegemónicas instituídas. Na política e nesta ordem de concursos viciados à parrtida, grassa a corrupção, a lógica do favor. E ainda há quem me peça candidamente para que vote em si, dentre os blogues propostos da agremiação limitada. Voto em mim, já que não consto. Pensar, por exemplo, no 31 da Armada, é pensar, para além de todas as qualidades, em todos os seus defeitos: na pedantaria mais grunha, na extrema vaidade, numa cegueira elevada à quinta casa. Pensar no tribal Blasfémias é ter a noção clara do cúmulo do plumitivo técnico economês e politiquês, associado à panelinha mais retorcida e impenitente igualmente cega à alteridade que pense excentricamente a vida nacional: abrem as pernas qualquer um em geral, menos a esses. Tudo está arranjado porque o arranjismo, na política como e em tudo o mais, está ali todo. A blogosfera, tirando casos admiráveis de independência e liberdade, não passa disso. Fraco, vulnerável e venal, o Combate de Blogues reproduz alarvemente a alternância desastroso-trágica PS/PSD, omite blogues bem mais geniais, bem mais cultos, exclui os brilhantes, os fora da voga, os fabulosamente intuitivos e exóticos em óptimo. E leva a concurso de Blogue do Ano a lista atávica só com Blogues do Ânus, o Ânus Lisboeta, certamente o mais 'formoso', pois cheira bem, cheira a... Lisboa. Façam todos muito bom proveito.