quarta-feira, fevereiro 08, 2012

BANHOS DE POBRE E FOME DE POBRE

Ser pobre é trabalhar ou não trabalhar como um cão toda a vida e não poder senão aspirar a ser escravo e desempregado toda a vida. Meu pai, escravo cinquenta anos. E eu, escravo para sempre. Ser pobre é isto e nada ter a aspirar senão isto. Refilo e luto por algo mais ou diferente? Luto. Refilo. Não me lamento com as medidas. Com o Carnaval. Olho para a frente. Não vivo a ameaça de empobrecimento. Empobreci desde há muito. Sinto-me empobrecido pelos governos sócrates, aliás esbulhado, aliás extorquido. Gastei todas as minhas munições de indignação a denunciar a trapaça então decorrente de fio a pavio. Em vão. Há necessidade de passar fome todos os dias? Passarei toda a fome que puder. No quintal, os limoeiros estão carregadinhos. É preciso tomar banho de dois em dois dias? Deitarei mãos à obra e resolverei o problema da minha higiene económica.

Sem comentários: