terça-feira, outubro 02, 2012

ABAIXO DE CÃO

Estarreço quando oiço alguém a anunciar um inquérito, mesmo que o anunciante nem seja Pinto Monteiro, mas o presidente do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Manuel Meirinho, e logo um inquérito disciplinar ao coitado do aluno que, na semana passada, insultou o primeiro-ministro durante a homenagem a Adriano Moreira. Evidentemente que não vamos lá com insultos desfocados nem com inquéritos para mostrar serviço. O problema de Passos foi vir munido de um saco de dogmatismos reformistas com tamanho fanatismo, que nem se deu ao trabalho de nos persuadir: era a palavra do deus. Fiat! Faça-se. Fez-se à bruta, num registo desfocado. O divórcio dos decisores e dos génios imbecis com as pessoas pode ser mortífero para os primeiros. A única coisa que talvez prestigiasse este Governo e lhe desse moral para agir reformisticamente seria ter cumprido a meta do défice para este ano, coisa tornada impossível pela exterminação implacável de parte da nossa base tributária graças a um IVA a 23% na restauração, dissuasor da actividade económica e instigador à fuga massiva ao conFisco. Não era preciso muito para afectar ainda mais o delicado desequilíbrio tributário em que vivemos. Depois fica à vista a facilidade com que se insulta hoje este Governo, todos os ministros e especialmente Passos Coelho. Por um lado, Passos pôs-se a jeito. Ainda bem que não gastam recursos em marketing político, como o outro Animal que gastou nisso balúrdios, e não investem em assessores de imagem para nos intrujar e manipular com total desfaçatez, como o mesmo Filho da Puta de Paris. Porém, um módico de bom senso continua a ser grátis e este caramelos atiram-no pela janela todos os dias. Fica mal insultar-se um Governo que herda uma tarefa que nem o covarde do Seguro pode ou quer assumir muito menos os Agitadores Suicidários de Esquerda, incapazes de outra coisa que alargar o nosso buraco, com greves e encenações furadas. De Seguro vou esperar sentado ouvir propostas corajosas de cortes. Cortes nas rendas abusivas da EDP. Cortes nas isenções fiscais das fundações. Cortes nas PPP. Cortes nas putas das ex-SCUT de Guterres-Cravinho. Alguém ouviu o pomposo do Seguro a propor isto? Não. Também ele aposta e confia em mais impostos. Seguro anda a surfar, doce e delicioso, uma onda que o pode afogar e à merda de partido a que preside: este Governo é assessório. A nossa tolerância com o Regime e com partidos-merda como o PSD e o dele é que está nos limites.

Sem comentários: