sábado, maio 11, 2013

ÀS ARMAS, ÀS ARMAS

Num país forjado pelas armas e que abriu caminho para Oeste pela lei da bala, com tudo o que construiu de fantástico e tudo o que alberga de abominável, para que se mude de vida e de hábitos, nunca haverá perda suficiente, nunca haverá desgraça suficiente, nem morte suficiente. O amor pelas armas veio para ficar. Mais difícil que abolir a escravatura.

Sem comentários: