quinta-feira, junho 19, 2014

ARROZ CAROLÍNGIO

Não é carolino o arroz
que como
diário,
vital,
repetente,
exército albino no meu prato rápido e fugidio.
É carolíngio.
Sou eu o Carlos que impera sobre o império de arroz
que come
carolino.
Carolíngio.
Carlovíngio.

quinta-feira, junho 12, 2014

CRISTINA SCUCCIA CONTRATADA PELO RATO

Numa tentativa desesperada de reconciliar as hostes, Cristina Scuccia, a freira cantora, foi contratada pelo Rato a fim de entreter os quatro meses antes das primárias, na tentativa de que as diversas facções desavindas se entendam, beijem e abracem como nos bons velhos tempos. 

As eminências pardas do Rato, numa prova de união a toda a prova, esperam que daí resulte um milagre para que toda a Loja Ratense regresse ao braço dado e tal pelas avenidas e aos grandes inchaços de Esquerda. 

SóCrash já garantiu que vai abraçar Seguro com uma lagrimazita no canto do olho crocodilo perparada pelos assessores, meticulosos nestas coisas piroseiras mediáticas e verbo de encher. Soares já indicou o desejo de ter lá um colchão para assistir e dormir a sesta ao mesmo tempo. 

Costa já disse que vai guardar a faca a aplaudir comovido a freira e olhar com ternura para Seguro. Seguro ainda não sabe o que fará, mas garante que não há qualquer pressa.

domingo, junho 08, 2014

NEM COSTA TRAVESTIDO DE GUEIXA



Há uma euforia pubescente em torno de Costa que me parece manifestamente exagerada porque com laivos messiânicos e fascizantes: os líderes predestinados e providenciais são uma fase primitiva e ultrapassada da experiência europeia do Poder em diálogo de sedução e conquista com as Massas. Tal como me parece um perfeito exagero a apreciação negativa e pessimista dos resultados averbados pela Coligação PSD-CDS-PP, nas últimas Europeias. Aí, ninguém ganhou. Ninguém perdeu. Ninguém se afirmou. Ganhou a abstenção massiva, brutal. Por isso mesmo, os resultados da coligação são intransponíveis para um cenário de legislativas, muito mais a doer e muito mais frio. 

A sorte da liderança governamental Passos-Portas não se joga na disputa menor entre a impreparação de Seguro e o voluntarismo retórico de Costa. Joga-se, sim, e toda, na questão do crescimento do PIB, na queda do desemprego e no controlo consolidado do défice. O sucesso nestas frentes, aliás prestes a ser constatado no balanço do segundo trimestre e seguintes, equivale a um regresso do eleitorado arredio em refregas eleitorais menores, um eleitorado amorfo, mal informado, que não vota por sistema ou que vota por puro clubismo acrítico e ritual. E votará para exorcizar o que tenha a temer ou segundo o canto de sereia com que queira sucumbir, como em 2009. 

Sendo o socialismo uma obsolescência ideológica e um vazio absoluto político de soluções credíveis na Europa, mas não só, unicamente um eleitorado doente, decadente e imbecilizado apostaria no escuro, em Seguro ou Costa. A maquilhagem das lideranças já não pode esconder a tragicidade das políticas seguidas até 2011. Não há volta a dar. Nem Seguro nem Costa. Nem Costa travestido de Gueixa.

sexta-feira, junho 06, 2014

O MOSTRENGO CONSTITUCIONAL

Como é que pode haver um País contente pelo facto de, resolvidos problemas sérios de uma ingerência externa óbvia e descarada, provocada pelo PS, Partido-Máfia/Partido-Festa, o Estado ter de se submeter, sequestrado, aos ditames bloqueadores do Tribunal Constitucional?! A Constituição cheira mal. E quem lhe pastoreia aleatoriamente o respeito não se lava desde a década de setenta do século XX. 

O fóssil Constitucional é defendido por fósseis sem noções de micro ou macroeconomia que não compreendem nada de contas nem de futuro sustentável. Pensam a vapor na era digital. Cunhal escreveu, mandou escrever, com os pés esse documento pós-revolucionário, num tempo sem Internet, sem Facebook, quando a informação mal pairava sobre as cabeças dos pobres portugueses, gado dócil a votar em videirinhos e em grandes estômagos regimentais com que se danou o País década após década. 

Hoje, tirando uns condóminos ferrenhos da secção partidária da esquina, a verdade e o realismo das Contas Públicas estão à mão de quem os quiser abarcar com factos e não com as fantasias subjectivistas e estatistas das Esquerdas. Os guardiões da papelada obsoleta de 1976, 32 mil palavras-verbo de encher!, não têm servido senão para nos desassossegar o presente e assassinar o futuro. Em caso de bancarrota e desequilíbrio das contas públicas, coisa que tem sido cíclica e natural, dada a propensão imbecil para preferir e eleger o Partido-Bancarrota, a Constituição não deveria servir nem sequer para acender um fogão a lenha a fim de se preparar o almoço. Deveria ser suspensa até que o Estado se pusesse a salvo de danos e perdas maiores. 

Os Partidos-Lixo, Partidos-Lóbi, Partidos da Rotatividade que nos assam vivos, desempregados e bem fodidos, deveriam rever o quanto antes o Mostrengo Constitucional. Já não há pachorra para tanta porcaria, palavreado, dezenas de páginas e páginas, chumbos-vetos canhestros do pessoal sinecural do Tribunal Constitucional. Já basta.