sábado, novembro 29, 2014

O AMOR A PORTUGAL CEGA-ME DE LUZ

Não abdiquei, nunca abdicarei, da minha Palavra pessoal aqui, nesta minha casa. Acontece que desde há largos meses, acho que há mais de um ano já, vejo-me limitado na expressão larga do meu pensamento e das minhas emoções, apenas por estritas razões técnicas que hei-de ultrapassar. O meu computador pessoal, duramente experimentado ao longo de oito anos de luta pela frescura, renovação e liberdade do Portugal que adoro, não resistiu e não mais me assiste.

Mas parece-me óbvio que a sua "morte" por hyperaquecimento dos circuitos valeu a pena, bem como toda a minha paixão e entrega até hoje e que não mudará de hoje em diante. Há esperança. Há sinais de que a Justiça e a Transparência abrem caminho, crivando as pesadas elites da Banca, dos Media e da Política do joio maligno que as perverte e nos oprime e subjuga desde há mais de quarenta anos. Dado que com um mero telemóvel posso comentar e postar pequenos apontamentos, tenho privilegiado o Forum por excelência de todo o debate, denúncia e partilha nacional dos factos da nossa vida pública, o Facebook. É lá que me podem encontrar mais assíduo.

A todos os meus amigos, declaro desde já que está tudo bem comigo. Estou sereno e vivi serenamente quanto sucedeu nos últimos dias. Parco em festejos e pronunciamentos. Prometo um regresso à intensidade e habitualidade das minhas postagens, mal me veja apetrechado de um novo PC também ele disposto ou capaz de percorrer o meu caminho, de suportar o meu tempo. O tempo e o caminho das minhas lutas de sempre, sob os meus dedos, sob o meu uso. É que o amor a Portugal cega-me de luz. Não posso parar. Não saberia.

sexta-feira, novembro 14, 2014

AUTO DA PORCA DO REGIME XII

[As Aventuras do Santa Alcoveta] 

SóCrash, o Santa Alcoveta, o grande Crash impante e ufano do Rato e de Portugal, não tem dormido bem. As insónias sucedem-se. Tem pesadelos terríveis. Por isso convocou Isabel Loira Moreira para lhe vir ler uns poemas e assim ajudá-lo a adormecer. A deputada do desbragamento, da fúria sexual e das rupturas de Extrema-Esquerda acorre ao seu mestre num pronto. 23 horas em ponto, ei-la que assoma à porta da Bramcamp e fala pelo intercomunicador: 

— Sou eu, SóCrash. Trouxe os meus livros, anotados. 
— Olá, querida deputada que eu coloquei no grupo parlamentar do nosso PS para infernizar a tola ao Seguro, sobe, sobe... 
— É para já, Santa Puta. Uma vez adentrada naquele templo de conforto e luxo, Isabel Loira Moreira não esconde o seu espanto, as fragrâncias, a decoração... 

— Pá, SóCrash, enquanto filha de Adriano Moreira, um conservador que ajudou a fundar o CDS e que foi ministro de Salazar, comungando algumas ideias corporativistas do Estado Novo e apoiando activamente a política, devo dizer que isto é fantástico. 
— Ainda bem que gostas, Isabel Loira Moreira... 
— 'Pera aí, Santa Puta... Pronto, já foi... 
— O quê, pá? 
— Um orgasmo. Estar aqui, olhar para a tua qólidade de vida... 
— Eh pá, Isabel, ainda bem que não seguiste as pisadas ideológicas do pai. Nunca terias tido um na vida. Ahahahaahahah 
— Eheheheeh, Santa Puta. Queres então que te leia, declame, vá!, os meus poemas para que adormeças... 

— Sim, como vês, já estou de pijama. Completamente pronto... 

terça-feira, novembro 11, 2014

AUTO DA PORCA DO REGIME XI

[As Aventuras do Santa Alcoveta]

SóCrash, o grande candidato a todas as candidaturas impossíveis do favor popular, o grande monte de verborreia de mentir, o carisma negativo da mitomania e da charla política na História de Portugal, teve uma ideia presidencial. Algo genialmente inovador germinou-lhe na mona. Se o Rato não o quer por perto nem o quer como candidato presidencial para 2016, imaginou que poderia avançar alguém que, não sendo ele, fosse quase como se fosse ele. Carlos César. «Que tal, calhordas do Corporações?!» — esganiçara o Santa Puta em plenas catacumbas ultrassocialistas, o bunker do Rato. Os Calhordas estacaram e ensaiaram uma resposta. Foi assim que se iniciou um esplendoroso debate sem ataques pessoais entre o Santa Alcoveta e os Calhordas do Corporações e que haveria de ficar nos anais da debatologia nacional.

— Calhordas, é o que vos digo. Caso Guterres não queira concorrer nas presidenciais de 2016, o melhor candidato, excluindo eu mesmo, passa a ser Carlos César.
— Mas, ó Santa Puta, nada sabemos da disposição de Guterres. O que sabemos é da disposição favorável a Guterres do teu Gajo, o Costa.
— O meu Gajo, o Costa, anda entretido a afastar-se de mim, a criar taxas para turistas na Capital, a fazer uma recolha de economistas e a ter trocas de palavras com o Maduro. Ouvi-o dizer que apoiava António Guterres como candidato à Presidência. Empalideci de raiva.

— Sim, Santa Puta. Nós também espumamos de raiva por amor de ti.
— Calhordas, Guterres é um fraco. Demitiu-se em plena fulguração da minha rapina, quando os meus negócios e as comissões com o Euro 2004, mesmo o Fripór estavam a bombar, estupendamente encaminhados e sob o grande biombo santificador da Governação.
— ... Que ele destapou, abrindo caminho à Direita Decadente.

segunda-feira, novembro 10, 2014

AUTO DA PORCA DO REGIME X



[As aventuras do Santa Alcoveta]. ‪

‎SóCrash‬, o Santa Puta, entusiasmado com o mais recente acto de censura e intolerância no Facebook por parte do seu protegido jovem turco e promissor Daniel Oliveiresco sobre o chato do PALAVROSSAVRVS, joshua, um dos seus mais acirrados detractores, acerta um encontro com ele na Torre de Belém para um café secreto e umas natas clandestinas. 

Dani é o primeiro a chegar. Trouxe uma pequena garrafa thermos. Surge disfarçado, com uma longa cabeleira loira e óculos escuros, embuçado numa sweat shirt negra com enorme capuz. Pouco depois, aparece SóCrash, luvas de couro, óculos escuros e uma T-shirt encarnada com o Che estampado, vestida por cima de uma camisa de manga comprida negra. Trazia as natas num saco de papel castanho.

— Viva, Dani! Deixa-me antes de mais cumprimentar-te pelo teu acto de higiene de ontem, na tua página do Facebook de que sou fã — atirou logo o Santa Puta. 
— Como vais, Santa Puta? Ah sim. O tipo é um chato de Direita que acha ter piada. Não debate. Não argumenta. Passa o tempo a fazer piadas xungas, a meter-se comigo, sem respeito nenhum pelas nossas ideias, sempre com cenas contra a Esquerda e a nossa quádrupla entente. Vê lá, SóCrash, que se atreveu a escrever no seu mural que eu ainda serei um novo Jorge Coelho e o Tavares, o Rui, do LIVRE, um novo Pina Moura. Cortei-lhe o pio e a mais uma gaja inteligente que fazia coro com ele. Até porque esse caralho já estava a granjear enorme popularidade no meu próprio público que o enchia de gostos. 

— Fizeste bem. O gajo não passa de um professorzeco frustrado e com uma cisma messiânica, basta ver como apresenta a fronha do Cristo há anos, no bloque e em tudo aquilo em que está metido. Está desempregado do Ensino desde Outubro de 2012, quando o Crato inchou as turmas com a aritmética da austeridade e o pretexto do excesso de oferta docente. Os nossos serviços de informação garantem-me que esse filho da mãe fica indefinidamente a seco, para aprender.

quinta-feira, novembro 06, 2014

SOB O VÉU DA CARNE

Mantenho as minhas corridas vespertinas quotidianas, quando a luz esmaece laranja-rósea e a minha voz se espraia na base natural da ficção pelo olhar. Corro. Corro pelas horas. À minha direita, o mar esverdeja e brama com os seus minúsculos sorrisos de espuma e tudo decorre como se as minhas pernas cruzassem palavras invisíveis para um universo metafísico, hiperatento à rica e compenetrada sucessão do meu compasso íntimo, pulsar cadenciado. Sobre mim, o céu azuleja. Coronário, o suor arfante do meu corpo é o mercúrio azul da vida que vai fixando a ressurreição corpórea deste meu íntimo ente misterioso por se revelar e que só um crente futuro poderá ler na transparência porque poderá ver a união seminal que foi sempre o motor da minha Fé sem oscilação no perpétuo risco aceite sob o véu da carne. Ver, o crente futuro verá nítida essa brecha irredutível repleta de vida, biliões de outros entes, vê-la-á, pela volúvel seara cósmica ancorada no Cronos e no tecido negro-amoroso da volição divina, no verbo performativo anelante que ostento. Corro. Eis o tempo e o argumento do poema. O crente conhecerá a borboleta do jardim sem reparar se acaso é borboleta: ela destina-se a recordar a vida imortal de um adorador do Altíssimo, que a todos arrancará, ungidos e odorosos, da provisória dormência mortal das suas tumbas.

quarta-feira, novembro 05, 2014

AUTO DA PORCA DO REGIME IX

[As Aventuras do Santa Alcoveta]

SóCrash, o Santa Alcoveta, o alcoveta optimista-comissionista de todas as oportunidades de comissionar a 2%, o dente afilado na carne do contribuinte do passado, do presente e do futuro, o magno charlatão aperaltado do Regime, sente-se insatisfeito e perdido, sem projecto senão ficar na sombra, na sala vazia da RTP, colado ao seu Gajo, o Costa, para abrir caminho a uma candidatura presidencial ou não abrir. Ele sabe que o ok para tal projecto que não há meio de chegar pode não chegar, até porque o Padrinho Don Marioleone já percebeu o lastro impopular que SóCrash representa para o Gajo do Rato, o Costa. Os seus, que o deveriam apoiar, apoiam cada vez mais a sua partida forçada para fora do País, de novo Paris, os Estados Unidos para afiar o seu Inglês Macarrónico, um exílio redentor qualquer bem longe do País. Entendem que a sua cercania do Gajo Costa embaraça e embacia esse sol do socialismo mãos-largas que vai triunfalmente a votos em 2015.

Por isso SóCrash resolve desabafar com o seu modelar filho espiritual, Manuel Pinho, sondando-o, também a ele, sobre o presente e sobre o futuro. O encontro é nas Catacumbas do Corporações, onde se colige todo o saber-marreta acerca de qualquer adversário que se possa mais tarde sujar e intimidar, desde que se oponha ao grande projecto comissionista ultra-socialista que há-de levar Portugal a uma Bancarrota de cada vez:

Pinho é o primeiro a chegar. Acende um cigarro numa nota de vinte euros e contempla a hora combinada no relógio de vinte mil euros, belos tempos áureos, esses do DDT BES Salgalhado. Entretanto, SóCrash chega, embrulhado numa gabardina negra e oculto sob uns óculos escuros. Como de costume, o Santa Puta dispara o cumprimento habitual:

— Olé, Pinho, pá! Manel, dá cá esses cornos, pá, olé!
— Ehehehe Olá, Santa Puta! Que saudades, pá, dos nossos tempos de glória.
— E de grande rapina, pá, Pinho.
— E de grande rapina, Santa Puta! Pois é... Foi por uma nesga que o TGV não se fez...
— Nem o Novo Aeroporto. Pá, Pinho, a malta do nosso Rato, os meus mais íntimos escravos, quer que eu me pnha no caralho... Nem acredito.
— Santa Puta, meu amigo, é a política...
— Pois, mas eu ainda tenho muito para dar ao Rato e sobretudo preciso da grande imunidade de dez anos que só uma Presidência da República me daria... Nada me daria mais prazer que suceder ao traste de Bouliqueime.
— Isso é impossível, Santa Puta. O pessoal que analisa números já concluiu há muito tempo que ardeste... Nem para candidato serves.

segunda-feira, novembro 03, 2014

AUTO DA PORCA DO REGIME VIII

[As aventuras do Santa Alcoveta]. 

Costa foi arrebanhar o micropartido Livre para o frentismo de Esquerda; Cavaco presidiu ao 05 de Outubro com a tónica na reforma do sistema político-partidário; ninguém quis saber o que pensava o Santa Puta de Cavaco, novamente por ele-SóCrash insultado na RTP, pois o respectivo share há muito anda a roçar o pó da indiferença. Enfim, o tédio era de mais e a SóCrash apetecia-lhe algo. Resolveu por isso mesmo procurar o Padre Melícias para se confessar numa conversa reparadora. 

Entrou na Igreja como numa inauguração ou num anúncio da PescaNova, 2005-2011, impante, inchado, teso como um pepino, percorreu o corredor central do templo vazio. Os tacões dos luxuosíssimos sapatos ecoavam secos e, na penumbra, as imagens dos santos como que plasmavam esgares de repulsa e o transporte facial do terror. Finalmente, acedendo à sacristia, encontra o Padre Melícias a contar uma peripécia de caça ao seu irmão sacristão: 

— ... Apontei a caçadeira e zás, com dois tiros, encomendei a almas daquelas duas perdizes ao meu bom São Francisco. Depois almoçámo-las na casa do meu amigo... Ó meu caríssimo amigo Santa Puta, SóCrash! Bons olhos o vejam. O que o traz por aqui? 
— Meu amigo e filho da mãe Melícias, você não envelhece, pá. Não... Vim com o intuito de conversar consigo. Confessar-me, vá. Mas exijo que o Sr. Padre Melícias se me confesse também. Seria um verdadeiro serviço público ouvi-lo a narrar essas gloriosas caçadas e poder falar-lhe do mundo submerso dos grandes escritórios da advocacia de negócios de Lisboa, que são oito, os principais. 

— Meu filho, não tenho muito tempo e há ali duas ou três almas para a missa das 11h. Vá, mas pronto. Vou ouvi-lo com toda a atenção. 

SóCrash pôs-se à vontade. Tirou o casaco. Deitou-se no banco corrido da sacristia e começou a falar, como se estivesse no consultório de psicologia: