quarta-feira, agosto 30, 2006

LAPID'ARTE












Primeiro atada,
depois semissoterrada,
finalmente os misericordiosos pedregulhos que me anulem,
adormeçam, afundando-me o rosto,
empapando de encéfalo e sangue o paciente solo
onde, estacada, me encomendam ao Inferno.

«Adúltera», dizem os adúlteros que me executam.
«Pecou», murmuram, afadigados os pecadores à minha volta,
preparando-me as núpcias com a morte.

Que hei-de fazer senão gemer e chorar por mim e por eles?

Inclinada como um míssil de carne condenado ao nada,
em nome de um regime filho da puta
que reagiu contra a colonização ou o ascendente
cultural norte-americano em cios de crude,
o Grande Satã, liberalizador, libertário e libertino,
mas para nos devolver isto,
esta pureza exterior,
este pesado jugo que nos julga?

Irão, Pérsia, terra que rejeita,
regurgita, refuta, puta,
a misericórdia bendita!

Joaquim Santos

3 comentários:

Mandacaru disse...

Denunciar, tá bem! Mas que podemos fazer?
É penoso ver uma foto desta. Custa imaginar. Revolta.. Dá voltas ao estômago.. Angustia.. Horror.. Barbarie.. Brutalidade.. Nojo.. do homem macho!!!!!!
E eu que tantas vezes reclamei da "tirania" do meu pobre pai que vigiava, por exemplo, minhas amizades na escola..
Imagine que gritei até ficar rouca por justiça social e igualdade de direitos e deveres para nós mulheres..
Falei imenso, briguei imenso com os namorados que tive marcando território para provar que também podia.
Pensando bem: Reclamei de barriga cheia!!
Albimorena

Maria disse...

parece impossivel que ainda hoje se cometam crimes destes, o desespero está tão presente na foto que sinto vontade de chorar, como é possivel... n compreendo.

Deepak Gopi disse...

hi Joshua
I am back again