Verde Acrídio













Uma brisa de leste,
onde se mistura pinho e eucalípto incinerados
numa indefinível secura sã e odorosa,
deixa-nos, nestes dias, as portadas do quarto em suaves partos de lua,
e o acesso franqueado ao sereno ventre da noite.

Ondulam cortinas em arrancos doidos
(estremecimentos, espasmos,
como quando se rompem águas),
e o drapejante som delas
ouve-se,
velas pandas às visões visionárias,
competindo
com o deflagrar longínquo de motores em trânsito,
ou o rodar cadenciado, binário, em lentos carris, de metálicos longes.

Por vezes, algo em nós ousa ter ouvido um remoto campanário,
afagando a longa densidade de uma memória.

Subitamente, um ortóptero errante, verde, delicado,
invadindo o quarto,
vem beijar-me, macio, manso, sonoro, o flanco,
asas de seda apressada me roçaram.
Despido, estava eu de bruços e falava-te,
despida, com um entusiasmo de menino,
sobre um sonho qualquer acordado
e tinha o teu olhar no meu em flamas vivas de atenção cravado.

Chamaste-lhe esperança. Chamei-lhe gafanhoto.
(Era toda uma meiguice feita insecto juvenil, tão delgado).
Mas concordamos na mensagem que nos trazia:
fosse o que fosse, era coisa boa...

E foi.

Porque, numa fulguração de essencial,
me apareceste tão reaparecida,
que pude ver-te ainda melhor
na explosão de doçura,
ventura resumida,
da tua mão
ardendo na minha.


Joaquim Santos

Comments

naturalissima said…
Fiquei arrepiada com este belissimo poema.
Fiquei verde adocicado, verde macio com os teus beijos e mais leve, com as asas de seda que teceste no meu corpo para voarmos juntos!
Um beijo
Daniela
Roy Frenkiel said…
Como a comentarista acima, ha momentos neste poema em que as palavras nos tocam conforme se toca entre si.

Prestigiar a poesia atual, assim, exposta desde as terras de Portugal aos portos do Brasil a rede em Miami, da mais gosto quando encontramos um espa'co como o teu.

Gostaria mesmo de que fosse possivel juntar pessoas com bom humor e critica para realizar um jornalismo de cojones. O problema nao eh achar o jornalista, e sim o humor... Quem sabe com minha sugestao nao se habilitem os que podem, e quem pode, que ajude com a constru'cao e manuten'ca do que seria O Pasquim Virtual?

abrax fortissimos tambem

RF
Isabel Filipe said…
Olá.
Uma maravilha o teu texto poético. Parabéns.

Obrigada pela tua visita e palavras deixadas lá no meu sítio. Espero que tenhas gostado. Volta sempre.

Bom fim de semana
Beijo
Lídia Amorim said…
Bom fim de semana!!! jokas*/
Aragana said…
Muito bom...

Deixo um beijinho e votos de bom fim de semana
José Leite said…
Os verdes precisam cada vez mais de militantes... mas esse não sei se terá capacidade de atracção ou de repulsão...Verdes, verdes, são os olhos de certas mulheres fatais... quais gatas apelativas e sensuais...
Vitor Monteiro said…
se fosse eu fugia a sete pés...hehehehe esse ortóptero era assim tão feio? porque é que lhe chamas-te esperança? ihihihih
belo texto amigão masi uma vez gostei...
aquele abraço
Anonymous said…
sabe, meu anjo, ler poesia é uma coisa estranha, é uma aventura muito pessoal para desvendar os mistérios, perceber a multiplicidade de sentidos, imaginar cenários,tentar comprender o poeta..
sabe o que eu amo na sua poesia?
é que ela foi feita para mim, sei de tudo, de todos os detalhes.. na minha leitura não há margem para uma outra interpretação, uma outra visão. Não preciso estudar cientificamente, cortar em pedacinhos, contextualizar com mais nada que não seja a nossa vida, a nossa história..
Amo-te, Joaquim Carlos e, sempre, sempre, vou admirar esse poeta que vc é, capaz de transformar em beleza, em espetáculo, qualquer detalhe de nossos dias.
Nossa, altamente completo de sensações diversas..sentires e cores.
abraços
Esther said…
Tens um talento maravilhoso de brincar poeticamente com as palavras..Bj!
Unknown said…
Poema maravilhoso, Adorei
Anonymous said…
...foi coisa realmente boa.
não troques.





um abraço.
Terra e Sal said…
Poema interessante.
Mistura de palavras e pensamentos que tanto nos arrastam para longe como nos fazem entrar dentro de nós próprios.
Parabens.
Gostei
bem...disseram para eu vir aqui...tinha recado no meu sitio...aqui estou eu...gostei muito do poema..."chamaste-lhe esperança chamei-lhe gafanhoto",ta bem tirada...
bem eu não sou muito de caipirinhas sou mais de pasteis de nata (bebiveis)...
obrigada pelo teu comentario,vai passando la sempre que te apetecer.gosto de visitas novas e com poemas destes.
beijo.
Pé de Salsa said…
Surpreendentemente visitaste-me e eu "descobri-te".
Muito rapidamente mas gostei. Escreves muito bem. E essa imagem, como complemento, está maravilhosa.
Parabéns.
Anonymous said…
porque a esperança existe e se exalta na natureza em multiplicidades diversas e tu as vês, lês e poeticamente as descreves.
Beijo
vida de vidro said…
Eu, que fujo de tudo o que é insecto, fiquei encantada com a suavidade desse momento. :)
Sentem-se sons, cheiros, encantos nas tuas palavras. *
joshua said…
Pronto, obrigado a higienizar este espaço, purgando-o de besouros com voo em baixaria, parece-me que agora se respirará melhor aqui.

Um abraço forte a quantos partilham do espírito são da blogoesfera e vão passando e comentando o meu canto.

Joaquim Santos
falcao00 said…
Francamente curioso...bom dia, abraço.
Nuno Carvalho said…
obrigado pela visita, o cordeiro medrou mas não por muito tempo, pois estava destinado a servir de almoço de alguém
Obrigada pela visita!Muito escreves!Eu tive blogs de escrita mas mais tarde ou mais cedo, apagava-os.ESte, até ver, já é recordista de vida!Tiraste a foto do gafanhoto também?!
Deepak Gopi said…
Hi
Thanks for the visit and Nice words.
Is that praying mantis?
Tita Dom said…
Eu diria louca por descanso e férias :-)
Sérgio Costa said…
This comment has been removed by a blog administrator.
Ecumene said…
Obrigada pela visita!


No grego nós nomeamos o grilo

"acridha" (d espanol)

que significa Acrídio em portuges?....

isto lembra-me uma palavra latin




Teu Blog e muito interessante..


eu voltarei...

:)

Corrija-me por favor se eu falo erradamente

tento aprender sua língua

:)
Roy Frenkiel said…
Re-li o poema e me inspirou do'cura ao peito nesta manha ensolarada. Obrigado!

abrax

RF
Sonhadora said…
Lindo texto.......
Muito obrigado por teres visitado o meu blog:)
fica bem
Tunana said…
oi
bigada pla tua visita
sobre o assunto q levantaste questao no teu comentário q deixaste no meu blog, ha um forum no site da u2portugal.com sobre isso!!
holanda/irlanda/...
passa por lá

dp leio teu blog com mais tempo ok!!
pareceu-me interessante e acho q temos gostos em comum :o)
tal como disse o arnold:
I'LL BE BACKKKKKKK :)))))

bjokas,
**TuNaNa**
Sérgio Costa said…
Obrigada e ainda bem que gostas-te! vou ficar atento ao teu canto tambem.
cloinca said…
Muito, muito bonito!
Escreves muito bem! mesmo!
Gostei de te descobrir!
beijinhos,
Cláudia
Cláudia said…
Vim agradecer a visitinha ao meu babyblog. Beijinhos doces e esverdeados.
Ecumene said…
@Joshua
1.I searched it...
Acridium derives of greek origin
In Latin Cricket is Gryllus
that s why in portuguese and spanish
grillo.....
akris-akritha-akrizo the ancient
greek verb..that means to move like
a cricket,to walk on the tip toes
in modern greek -akri- the tip-
Anonymous said…
Quando a vida lembra de me lembrar a nossa brevidade aqui, neste espaço, nesta vida, ela não faz nada mais nada menos que enfatizar o que já sinto, como o katchup sempre realçou o sabor da pizza de calabresa que minha irmã Sueli faz tão bem.. como um texto com um grifo bem destacado com pincel de risco grosso e vermelho..
Tudo isso, Carlos é só para dizer: Te adoro, meu anjo! Valorizo a nossa convivência diária, os detalhes de nossos dias, as brincadeiras com nossa filha, etc.. mas tantos mais etc, todos.. sem faltar nenhum!
Não deixo para amanhâ o que posso fazer já, em viva voz, por escrito, por telepatia.......................
Mauricio said…
Parabéns pelo blog está ótimo!!!

Brigado pela visita,

nos vemos
Anonymous said…
(Essa sensação de não gerar felicidade para ninguém,de estar possuído de um tédio e de um cansaço da vida é altamente provocante.)

Intrigas-me Joaquim...em aspecto se pode tornar assim tão provocante?

:)
..na realidade estas tuas palavras
são altamente interessantes.
Anonymous said…
Joaquim,
peço desculpa por não ter pedido
para usar a tua frase...na realidade interessou-me muito
o sentido que poderiamos
tirar dela...
Por isso deixo aqui a resposta
de alguém que,talvez por me conhecer faz tantos anos...foi
ao encontro daquilo que(eu)vi
nas tuas palavras...

"Já vi que estamos aqui para te explicar esta frase!
Não é difícil perceber se não a depositarmos no lado cinzentão da vida!
Por isso pode querer dizer que podemos viver perto de um sentimento de impotência em relação ao outro,e esse outro passa a ser inalcançável ou um solitário provocante no
mistério e na ilusão,porque não sabendo verdadeiramente o que se passa,a atracção cresce ainda mais,provocando-nos para o desafio de conseguir alcançar esse outro bem dentro do seu coração e da sua alma!Será que é esta a intenção descrita nesta frase?
Pode ser tentadoramente provocante
vista por este prisma e com a imagem escolhida não se poderei levar por outro RENDEZ-VOUS qualquer!!"

____________;)
Obrigada Joaquim.
Anonymous said…
Deixo hoje aqui a minha visão das ideias e palavras como substância e não como forma...


"Três espécies de emoções produzem grande poesia/prosa.
Emoções fortes,mas rápidas,
apreendidas para a arte logo que passam,mas não antes de haverem passado.
Emoções fortes e profundas na recordação que só nos deixam longo tempo depois.
E falsas emoções,ou seja,emoções sentidas no intelecto.
A base de toda a arte está numa sinceridade traduzida...
Assim,o Poeta/Homem "finge" emoções só imaginadas,sentidas no intelecto, artísticamente sinceras e "finge" também outras vezes emoções que humanamente sente."

(F.Pessoa)

...um beijo Joaquim.
:)
Anonymous said…
I always motivated by you, your opinion and way of thinking, again, thanks for this nice post.

- Thomas

Popular Posts