segunda-feira, outubro 02, 2006

ARBÓREO AROMA













Que odor a gigantárvore
se bebe tão doce neste pouco de Outubro!
O ar fresco, suspenso, aveludado, cá fora,
dissolve-se na brisa que adeja aos rostos,
namora ramagens.

Um sentimento de brandura,
de espessa e entranhada ternura,
solta-se-me lento agora
tão grato me sinto
(saudoso do teu rosto,
sopro do teu corpo)
por ti, por dentro.


Joaquim Santos

1 comentário: