domingo, outubro 08, 2006

FÓRUM EM FURO


















Pergunto-me como é possível publicar um tão grosseiro tipo de ataque pessoal*
num espaço como este, onde é suposto haver um crivo de qualidade
e de decência profunda, na salvaguarda das pessoas?
Como se pode consentir em textos que visam atacar gratuitamente
a intimidade de alguém, neste caso a minha,
na minha profissão,
na minha identidade,
na minha família,
no convívio que tenho ou não tenho com as pessoas,
e desta maneira obscena, mentirosa, completamente falsa?
Mas afinal são as pessoas que estão em cheque
ou os seus argumentos ou as suas ideias?
Não faz sentido e sinto-se lesado nesse consentimento
ou negligência do Fórum Desabafe Connosco do JN.

O Leite Figueiredo por detrás disto,

por detrás destes inúmeros pseudónimos mal-intencionados
desde o Xico Gaydes
ao Des Contente, passando pelo caluniador Kinkas,
e muitos, muitos mais,
é ele quem tem a centralina fundida pelo hábito do assédio maldoso,
pelo hábito de semear a discórdia, a confusão,
de em nada ser construtivo,
de amar o deserto e a desolação em vez de as pontes
e entendimento verdadeiro entre as pessoas.

É insuportavelmente perseguidor.

É insuportavelmente denegridor.
Não ando (nem tenho perfil para) nessa actividade negra,
ó Des ComGaydes,
de insultar diariamente alguém,
conforme fazes.
De fazer comentários negros,
anonimamente sujos, visando pessoas concretas,
conforme me foste fazendo ao longo de meses e meses no meu blogue,
ó adoentado do espírito.
Tu e só tu vinhas postar insultos todos os dias,
várias vezes por dia,
à minha pessoa, à pessoa da minha esposa
com insinuações sempre porcas de que te não cansavas,
grande besta boçal.

Nunca te insultei.

Nunca te persegui porque tu não és ninguém,
não és nada, somente uma (entre tantas)
máscara constantemente colocada e alternada com outras por desfastio.
Contestei inicialmente o teu tom maldoso
logo no arranque do meu blogue, quando destestavelmente vieste vestido de Xico Guedelhas
para o Fórum com considerações impróprias sobre a minha esposa
e sobre a questão da vaidade de ter um blogue,
coisas que não te diziam respeito e que devias antes de mais respeitar.

Há excelentes hospitais psiquiátricos que tratam decentemente gente indecente,

negra e malígna como tu, que em vão te escondes nos anonimatos
e nos pseudónimos para seres ainda mais negro e ainda mais detestável.
Compreende que tu é que és desprezível ao mundo.
Tu é que enfastias o planeta
comportando-te como esse seboso mal-intencionado, maldoso,
e entediado em tudo, ó pseudonimista e falsário de ti mesmo,
Figueiredo Gaydes,
Xico Guedelhas,
Des Leitinho caladinho,
Des Com Dentes,
Xico Bosta!

Joaquim Santos



*«Estive para não lhe responder, mas...Cá vai. O papel de anjinho a si não lhe assenta, e todos temos memória, uns mais, outros menos.Assim sendo, porque não centralizou os seus textos badalhocos em mim, que não tive problema nenhum em lhe responder, à letra, no seu blogue?O senhor Joaquim Santos sofre de algo que lhe fundiu a "centralina", e passou a disparar em todas as direcções.E ainda vem o senhor dizer mal da ministra da educação...O senhor que se diz professor, com a mania da perseguição de que sofre, deve ter sido, pelos vistos, bem avaliado.Se eu tivesse filhos meus com um professor sofredor do seu mal, ou o meu descendente mudava de escola, ou mudava o prof.O senhor não passa de um rufia bem-falante, aliás, bem escrevente, porque quem o conhece pessoalmente diz que “se mantivesse um diálogo na Rua Escura com alguém, deixava todos de boca aberta”.Senhor Joaquim…Creia que a mim não me afecta minimamente, desprezo-o mais que a um cão vadio, porque cedo lhe tirei a “pinta”.Aconselho-o a tratar-se, e a não usar a imagem da filha, que diz ser sua, para apelar ao coração dos que quer “manipular”.Olhe que o mundo é pequeno, e pode acabar de um dia para o outro.Até mais ver, longe se possível…
Xico»

1 comentário:

Å®t Øf £övë disse...

Joshua,
A net é uma grande corrente de pessoas. Os tempos modernos mudaram a qualidade das relações e a maneira como desenvolvemos as nossas relações. Tudo passou a ficar à exacta distância de um rato ou teclado de computador. Criam-se assim relações voláteis e sujeitas a más interpretações, e desentendimentos. Afinal, estamos todos escondidos por trás de um monitor de computador.
Abraço.