quarta-feira, outubro 04, 2006

DO BOVINO BULLSHITISMO














Ó debates elevados e correctos,
como sois exclusivo de uma casta de ateus e racionalistas
com queda para a idiotia pedantolas em viscosa baba
e que se encontram ou vêm pastar (com ó) na fuga afónica!
Dogmas nunca os encontraremos num blogue
ou numa página de gente bem-pensante,
decente como esta,
cheia de ética para consumo interno,
como a salsicha só o é dentro do frasco
porque, fora dele, transita de imediato em pasta
entre a língua e os dentes
começo de viagem natural maravilhosa
com destino último à cloaca
escatológica!

Ó grande, ó incomensurável dogma do desdém
entre certo tipo de ateus de cepa ruim,
como é divina e de pernas abertas a vossa sanha
interminável de desdenhar caluniosamente da Igreja
e rir do ar macilento das privações ou depravações libidinosas
de algumas freiras e de alguns padres amuados ou à solta com o próprio corpo,
esse vosso ateu marralhar ajustes de contas históricos
como se se tratasse, a Igreja, de toda uma humanidade à parte
com a qual nada se tem a ver!

Ó desdém e verve de certos ateus militantes
que não são racistas,
que não são sexistas,
que não são senão pluralistas,
salvo naquele nojo de pudica reserva quando se lhes fala da Igreja
e se lembram de aborto
salvo se se lhes fala em cristãos
e recordam latex e pílulas anticoncepcionais a par de beatas procissões,
como se o desdém e a verve em esporradela provocatória
destes ateus por si só
valessem por uma definitiva abolição da fé,
de pulverização do Cristo,
suplantado por um Muhamad incinerador,
e acima de tudo fizessem tábua rasa
dos quadros éticos de referência que constituem o meio
em que afinal todos medramos e nos tornamos Europa
a cujas costas vêm ter os cadáveres hirtos de africanos
sequiosos por serem pessoas,
novos Moisés morrendo à vista da Terra da Promessa!

Gente que nega a possibilidade de Deus
negando a letra da Lei e o espírito dela que os possibilitou
identitariamente até à des-noção, à ingratidão leprosa,
e à inconsciência alarve do coma.

Ser imaginativos e bem-humorados,
integrando a novidade na velhice,
isso não conseguem,
mas somente um viver a espaços deprimidos
na ponderação da própria finitude
em putrefracções facciosas,
o que é muito respeitável
e igualmente comum.

Mas por que raio não se armadilham
de causas novas e ardentes
tais desdenhosos e ressentidos ateus,
que lêem a história obliquamente, em saltos de canguru,
e por intercortadas pausas para café,
que se acham os mais libertos e libertários navegadores do sexo,
que se julgam no auge da liberdade e do prazer,
que se consideram uma consciência e uma responsabilidade à parte
comparados com a carneirada que vai a Fátima ou a Lourdes,
que se supõem lucidíssimos, iluminadíssimos,
sempre tão rentes à intolerância trocista do não-ateu
e simultaneamente tão obesos da tolerância
de que se acham exclusivos detentores,
mas por que,
oh por que não se organizam
como ferozes defensores da mulher calcada e excisada
ou do clima oleoso e bélico bushista e, portanto,
mentiroso, bullshitista, que mina o mundo?!

Mas que sombra ou que mal lhes faz a Igreja
em face das verdadeiras merdas em acção silenciosa no mundo?!


Joaquim Santos

3 comentários:

Susan Jones disse...

Its our Canadian Thanksgiving eh!
Happy Canadian Thanksgiving!
"just say no to giblets eat a tofu turkey!"

*gobblegobble*

Mandacaru disse...

Cada um de nós tem um compromisso pessoal com a vida, não adianta negar ou fugir. Deus, que nos conhece de sempre, dá-nos aquilo que precisamos para sermos melhores, mais felizes.. quem nega o Pai Eterno, nosso Criador só entristece-se, só padece num mundo muito seu só, sensível e, pior de tudo, perecível.
Beijos,
Albimorena

Lidiane disse...

Tive de ler você duas vezes.
Estava inspirado, hum?
;)