domingo, abril 17, 2011

BERLUSCONI E CÓPIAS CONTRAFEITAS

Berlusconi é desmedido? É. Absolutista? Também. Mas há qualquer coisa nele que o humaniza, que o salva quando comparado aos demais líderes que se berlusconizam no pior, como o que por cá ainda temos. As tiradas do primeiro são impagáveis, na auto-ironia com que brinca. Brinca com o facto de ser mulherengo assumido e viciado em sexo: «Todos nós somos 25% gay, eu também tenho essa percentagem, só que após um atento exame descobri que a minha é lésbica»; Brinca com a estatura: «Não é que eu seja baixo. Sou comparativamente aos meus seguranças, que medem 1,95 metro, assim é compreensível que eu apareça mais baixo nas fotos.» Brinca com as questões na Justiça que, por cá, deixam intacta e intocável a sujidade ao mais alto nível: «Sou o 'recordman' absoluto. Não só sou o presidente da história do futebol que mais ganhou, o líder político que presidiu a três G8, sou também o mortal que teve mais processos na história do homem e dos extraterrestres, se é que eles também são interrogados na justiça.» Ele abafa a Itália, 'resume' a democracia e sente-se perseguido. Critica os magistrados italianos: «Há 17 anos os magistrados, influenciados pela ideologia de esquerda, querem a minha queda sem ter êxito. Eu estou aqui e estarei sempre para defender a liberdade dos italianos.» Faz de conta. Prefiro Berlusconi ele-mesmo que qualquer cópia contrafeita.

1 comentário:

floribundus disse...

deixa a um canto o gato-pingado do romano prodi.
nada tem de comum com o sapatilhas imitador de feira do duce