quarta-feira, janeiro 09, 2008

EM FRENTE, NA DIRECÇÃO DA RECTAGUARDA


Recordo-me que quando Cavaco gastara já a imagem providencial
e cada seu enunciado infeliz lhe talhava a imagem inflexivel e autoritária,
ainda assim eu mantinha-me crente nele, nas suas políticas e nos seus ministros.
lkj
Demasiado cego, demasiado certinho e demasiado crédulo,
os clamores da imprensa não me sensibilizavam e até tinha pena dele, coitado,
tão acossado que nem uma fatia de bolo-rei podia comer na paz do seu Tabu.
lkj
Hoje, quando, como muito bem diz a BlastingLightningBoltBlondie,
a globalization é americanization,
é um devoramento de Mundo pelo Padrão Devastatório e Exclusivista Norte-Americano,
a Europa procura aggiornamentar-se e competir com isso,
só que a fractura com o seu passado de aquisições sociais está a ser brusca de mais
e exige uma inflexibilidade inusitada para que se obtenha tal aggiornamento.
lkj
Talvez por isso, Sócrates seja (e queira mostrar-se como!)
não mais que o epítome de uma Nova Europa,
duplicação bloquista, na Eurásia, do modelo mais bem-sucedido
de agressividade económica, de empreendedorismo e de pragmatismo
vertido em europeiês, a América do Norte.
Adeus, especificidade e diferenciação!
lkj
Internamente, tal meta é levada muito a sério pelo Executivo.
Provavelmente, para mal dos meus pecados, este Governo está a desmantelar estruturas,
a lesar certezas sociais, a fazer cortes no Funcionalismo Público,
a desamparar idosos, a despedir talvez-excedentes e a prescindir de gente impiedoso,
a erodir os nervos às pessoas, com boas intenções acomodatícias àquele modelo,
intenções que não podemos entender, só sofrer na pele.
Por isso, estrangeiros de estas políticas,
os portugueses terão ou de emigrar, ou de trabalhar muito mais,
ou de empreender muito mais,
acumulando actividades até à exaustão, e certamente de arriscar muito mais,
valorizar os seus postos de trabalho precários e inseguroflexíveis,
competir ferozmente por eles por mais insignificantes que sejam,
zelando pelo cumprimento integral e cuidado de todas as suas tarefas
e de todos os seus deveres escravos,
auferir pouco e aprender a arte do sorriso conformado com isso,
porque é o que se chama 'Futuro'. A obediência plena é o Futuro!
lkj
O Estado Português quer mostrar uma eficiência canina nos passos a dar
e se recuou na Tributação dos Sacos Plásticos
e agora recua nos 68 cêntimos das Pensões Corrigidas,
tais são inteiros sinais de Firmeza Insegura para que temos de olhar com olhos benévolos,
confiados no Socialismo e na Esquerda e na Sensibilidade Social. Faz de conta!
Portanto, o Governo tem uma Meta e um Modelo. E tem pressa.
Portanto, parece haver um Caminho Preferível a todos os outros caminhos.
Portanto, o Povo, o pobre Povo, está a queixar-se em contramão,
está a protestar e a sair-Anadia às ruas em vão.
Não se queixem. Aguentem. Apoiem.
Vai doer? Vai. Está a doer? Está. Mas faz bem.
lkj
Vocês não sei, mas eu não concordo nada com este espírito que me possessa agora mesmo!
lkj
Comecei com a referência a Cavaco porque se este, nos seus governos,
sempre foi autoritário e talvez arrogante e flácido com os seus sôfregos boys,
Sócrates começou e continuou como tal, mas agora vai parar com esse perfil crispado.
Chegou a hora de um Sócrates Querido, Doce, Paciente, alguém de quem até nos apiedamos

e nos concita tolerância e benevolência sentidas. Eu senti isso hoje: uma contenção piedosa
perante os seus argumentos anti-referendários no Parlamento.
lkj
Desempregado e cansado,
o melhor é deixar-me ir na torrente geral de tolerância e de deixa-correr nacionais,
abandonar-me à minha sorte e dar tréguas ao PM. Não prometo nada,
mas o facto é que me apiedei sinceramente dele.
Custa às vezes ver em cru a Solidão de um decisor ou indecisor,
que é o mesmo. Passados os homens que as corporizam,
ficam as políticas e os seu efeitos.
Veremos se estes últimos valem o que o gato enterra.

2 comentários:

Tiago R Cardoso disse...

Nós somos é mal agradecidos, não temos capacidade para ver o paraíso em que estamos, o nosso "líder espiritual" serve-nos uma zurrapa e nós temos de o beber como sendo da melhor colheita...

quintarantino disse...

... alegra-te, pois, vêm tempos de leite e mel, pois ...