sexta-feira, janeiro 25, 2008

UM ESTRANHO ESPÍRITO DE BLOGA


Há um certo modo de ser blogue com que não me identifico.
Ele aparece no nosso sítio desolado, de passagem, e convida, convida.
E nós vamos, arrastados por um braço ou por uma trela psíquica cheia de curioso.
E até pode valer a pena. Mas a compressa de convidar, de forçar as coisas,
esbarra com a minha natureza livre e intuitiva, mas sobretudo insubmissa.
Não estou a dizer que quem muito convida não tenha um mérito infinito.
Estou só a dizer que força e comprime a minha delicada liberdade de iniciativa,
que é afinal uma coisa sagrada,
e estou só a dizer que sou incapaz do mesmo ímpeto arrebanhador.
lkj
Às vezes, muitíssimas vezes, sei e sinto que fiz um belíssimo e criativíssimo texto,
não importa o seu tamanho porque, se for lido a sério, não tem tamanho:
eu babo por ele, sei que é bom, é intenso, é ácido e doce, a um tempo, o meu texto,
sei que tem fruta madura, sei que arrebata, que faz formigar o estômago, o meu texto,
sei que é como preliminares ao bom sexo, o meu texto,
sei que é como quando se beija muito na boca, o meu texto,
sei que é como penetrar com gosto e perder a cabeça de prazer e de orgasmo, o meu texto,
sei que é um ataque ao convencional e um insólito convicto, o meu texto,
sei que dá um tesão de aço lê-lo, ao meu texto,
porém, quem me lê, além dos meus queridos amigos que valem por um milhão,
quem acede ao prazer engastado na minha Palavra Ultra-Poética?
kjlkj
Eu sei que tenho estes desabafos por vezes como quem o lamenta,
e que a quem os lê soará talvez a dejá vu,
mas não se pense que descreio de mim e que o meu é um desânimo pelo desânimo,
um desânimo sem alento, sem orgulho, sem Fé, sem entrega.
Não é. Acredito no acesso LIVRE ao que escrevo,
sem convite nem compressas de ter de vir aqui,
que um dia conquistarei.
lkj
As melhores conquistas começaram pelo potencial extraordinário
da minúscula semente da mostarda.
O mesmo Foi Dito da Fé.
E do que Foi Dito da Fé nada se perdeu!

3 comentários:

Tiago R Cardoso disse...

Muito bem joshua, muito bem.

Nunca te impingi nada nem te condicionei em nada, visitaste-me um dia e eu movido pela curiosidade aqui vim e deparei com um desafio, a tua escrita.

Como te disse já pessoalmente, aprendi e admiro muito a forma como escreves...

Desculpa, impingi sim, uma amizade...

Pata Negra disse...

Olha Joshua, venho convidar-te para não ires ao meu blog!
Um abraçon forçado até dizeres:
Larga-me!

antonio ganhão disse...

O grão de mostarda cresceu e elevou-se do chão, atreveu-se a rasgar os céus e foi sombra acolhedora.

E tu Josh, serás sombra que acolhe? Ousarás rasgar o véu que te protege na tua toca blogueana?

Eu acredito nisso, no teu talento, na tua escrita... mas isso só depende de ti e não se resume só à coragem mas também à esperteza e bom senso.