sexta-feira, janeiro 11, 2008

LEITORES PROCURAM-SE, RECRUTAM-SE


Àqueles que não estão para se chatear,
àqueles para quem é inglório contestar, insurgir-se, blasfemar
contra os Brutais e as suas Brutalidades cobertas de 'razão' e 'justificação',
àqueles que se encolhem de medo e de conveniência perante o que está porque é o que está,
eu digo: NÃO VOLTEM CÁ.
lkj
Àqueles que todos se incomodam com a minha exploração da Língua Portuguesa,
matéria de insólito, de construção, de riqueza-em-uso, de expressividade laboriosa,
àqueles que não querem sentir a língua e as suas matizes imprevistas,
àqueles que, na verdade, não lêem a fundo, não lêem a sério,
não se encandeiam nela, não se hipnotizam com ela, não se apaixonam por ela,
não mergulham nela, na Língua Artística em Português,
eu digo: NÃO VOLTEM CÁ.
lkj
Àqueles que odeiam desafios e dificuldades ao ler,
que julgam tudo pela bitola do óbvio,
que julgam tudo pelo critério da clareza,
pelo sinal esplendoroso da futilidade,
e se recusam ao Mistério, e se recusam ao Puzzle, ao Confronto e ao Quebra-cabeças,
que se recusam ao Labirinto, ao mergulho no Lago Congelado, ao sofrimento da Leitura,
NÃO VOLTEM CÁ.
lkj
Prefiro continuar só, com os amigos que me aturam e me não abandonam,
prefiro imaginar que um dia os Portugueses serão mais como os Ingleses nisto:
suportam a Monarquia como símbolo unificador,
mas têm no ânimo todos os fogos insubmissos e acesos da República antes de se implantar,
(porque a República é o melhor dos regimes somente antes de se ter implantado.
Depois é decadente e engendra os piores vícios...),
gente que canta e aprende a cantar nas Igrejas e nas Catedrais,
e depois o aplica em casa, nos Estádios e nos Pubs do mundo inteiro,
gente que lê e devora livros, gente que, mesmo grosseira, é generosa e orgulhosa.
Se ser português é, em dada arte, ser ilegível por preguiça intelectual de quem lê,
ser rejeitado e desprezado, por mesquinhez, tacanho íntimo, de quem lê,
se é ser subestimado e até combatido por quem lê
(sistemicamente, este Governo combate quem alheio de ele pensa e age!)
se ser português é ser governado pelo kitsch,
se é ver o triunfo da mais atroz mediocridade de sentimentos e de actos,
é melhor pensar em Emigrar de vez desta Pene Ínsula,
coisa que, por alguma razão, vimos fazendo há muito tempo.
lkj
Aqui só podemos ser Pene Felizes.
Como portugueses, talvez sejamos incomparavelmente mais felizes
no Brasil,
nos Estados Unidos,
na França,
claramente no Luxemburgo ou na Austrália,
em qualquer sítio: Felizes, estão a ler bem!, Felizes, enquanto portugueses.
E bem mais civilizados.
Entretanto aí o ser Português vai-se dissolvendo nas Eras, fica nos Nomes
e só nas coisas boas do carácter, a bondade, a generosidade. Desaparece.
lkj
Nunca se pode ser feliz na Própria Terra,
onde a inveja é A Erva Daninha e o Homicídio do Génio Alheio
um Homicído Mais-que-Voluntário.
lkj
Este texto pode ler-se ao contrário:
LEITORES PROCURAM-SE, RECRUTAM-SE.
Leitores a sério, gente que não pegue nos textos pela ponta dos dedos,
com aquele pudor vesgo que se tem durante autópsias ou muda de fraldas,
com os panos ensaguentados, babados, vomitados, emerdados, espermazados,
mas que assumam na plenitude o que é Ser Homem nesta terra.
lkj
A Beleza não está onde a procuram, ó grandes alienados de Portugal!

11 comentários:

quintarantino disse...

... estás tramado... eu vou voltar... embora tu às vezes abuses... escreves, escreves... vem aqui um gajo e leva com quatro, cinco textos de bujarda... ó catano dum camandro, o povo é mais "relax" hoje em dia... põe um "catraiame", uns gajos...

Thiago disse...

Olasssssssssss, Joshua..

Bueno, no dices nada de los españoles pero yo te devuelvo la visita.. Tienes un blog muy currado, tengo que leerlo con mucha calma...

Muchas gracias por tu visita, pero podes falarme en portugues que eu son galego.. jajaj

Obrigado. Bicos.

Unknown disse...

As fronteiras estão abertas, é só embarcar.
Pire-se, não faz falta alguma.

Anónimo disse...

O Amor é o meu país. Compreendo-o bem, joshua. JMS é o tipo de português idoso e orgulhoso que não entende que um anti-texto ou uma anti-leitura não são factos nem estados de alma. Têm objectivos opostos aos aparentemente enunciados.

Falta muito Almada nesta casta de intolerantes portugueses, cabeças-de-pedra.

Anónimo disse...

Quer dizer que só os excepcionais o podem ler?

Ou os que têm atitudes excepcionais?

Talvez o seu texto seja excepcionalmente pedagógico...

Blondewithaphd disse...

Oh well, I guess you're "tramated" because I'll keep coming back;)

In good Portuguese have you ever heard: "Os cães ladram e a caravana passa"?

Tiago R Cardoso disse...

Por acaso e só por acaso acho que não estou incluido nos que aqui lêem isto sem tentar perceber, posso muitas vezes dar a entender isso, mas te garanto que leio isto tudo que tu escreves considerando um desafio e uma descoberta textual.
Por isso em relação a mim estás lixado, é que eu não me vou pirar, gosto do local e da escrita do professor.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Joshua
Estás lixado comigo porque volto sempre mesmo que os teus textos tenham o tamanho do mundo tentarei ler e perceber.
E sou tua amiga. Um abraço.

Anónimo disse...

Eu ia perguntar a quem se dirigia o Joshua, quando li o comentário do jms...

Permita-me que comente o comentário de jms.
Caro(a) senhor(a) (ou assim-assim): o seu comentário é a prova que, afinal, é você que cá "não faz falta alguma". Você não reconheceria um bom texto, nem mesmo escrito por si.

Agora para o Joshua: você está enganado, se pensa que a má-educação é exclusiva dos habitantes deste país. Ela existe por todo o lado.
De há muitos anos a este parte, venho involuntariamente meditando uma frase que li algures, em parte e de autor incertos, uma espécie de "Koan" espontâneo, que afirma simplesmente:
- A estupidez está na origem de todos os males do mundo.
Comecei por duvidá-la mas, há medida que os anos passam, vai-se demonstrando sempre mais certa.

antonio ganhão disse...

Ah. Já tinha saudades desta escrita. Obrigado a quem te irritou.

Existe uma impossibilidade de sermos portugueses em Portugal, talvez por isso poucos te leiam, talvez por isso Saramago foi para Espanha.

São disse...

EU VOLTAREI ATÉ AO MOMENTO EM QUE ME EXPULSES!