domingo, janeiro 27, 2008

ESSÊNCIA REPOSTA EM RESPOSTA À BLONDEWITHAPHD


Minha querida Blonde, desde o princípio que sabes quem sou no âmago
e por isso mesmo não te deixas cegar de rejeição apressada e timorata de mim
em face da hegemonia por vezes desse meu lado Sáurio,
reptilianamente Tirano que parece só violência e aspereza.
lkj
Eu, que passo os meus dias a enternecer-me com os seres humanos
sob a limpidez de um amor divino, manso, embebido em Cristo
e dos Sentimentos que Havia n'Ele, quando porém escrevo,
rasgo todos os véus e abro todas as feridas como quem, em desespero,
quer ir mais além, até mesmo ao limite do Revelar Total
de quanto margina ocultamente esse Rio de Amor Represado
que deveria jorrar dos corações. Eis tudo.
lkj
É um instinto básico meu.
É uma predação sem peias, cruel, e ela, sim, Cega,
e, no entanto, preside-lhe a demolição permanente do supérfluo
que se interpõe coração a coração.
lkj
No que à Fé Comunitariamente Celebrada diz respeito,
atravesso uma fase eremítica, como Antão, lembras-te?
A vida comunitária era-me fonte de um sofrimento e de uma ânsia dilacerantes
em face do que via discrepante com um amor incondicional pessoa a pessoa, caso a caso.
Não via delicadeza. E a minha delicadeza
era lida como esbatimento da exigência dos critérios da Fé ou frouxidão moral.
Tive por isso mesmo de me preservar, antes que morresse de desgosto,
(não pude preservar-me de enlouquecer perante tanta ingratidão!)
e aguardo um Tempo Novo,
um Grande Recomeço: há sempre um Santuário
onde tudo é Frescura-de-Alma e Consolo Íntimo.
lkj
Na verdade, toda a nossa tradição de Fé,
desde a sua origem, é o mistério de um Amor Dilacerado.
O Pai entrega-Se, mas quem O acolhe?
A sua Palavra é oferecida, mas quem responde?
O seu Espírito é difundido, mas ainda não partilhado.
çlk
A Criação é puro dom, mas ainda à espera do Acolhimento.
Nesse Very First Princípio, tantas vezes ignorado por nós,
o Deus Vivo experimenta a sua primeira kenose*:
o seu amor já se revela aí, mas na penumbra duma promessa ignorada.
lkj
Ora, o meu coração de ADORADOR DO DEUS ALTÍSSIMO
é um grito de impaciência por que haja esse Acolhimento em mim, claro,
e no cerne das pessoas,
por que essa Resposta seja dada,
por que todos vivam uma permanente Parusia
e uma profunda KENOSE HUMANA.
A minha grande tónica instintiva é a vivência de essa KENOSE.
lkj
Eu sou também um homem sofredor:
às minhas mãos e às mãos dos outros seres humanos com quem me foi dado cruzar-me,
mas isso é o labririnto da minha história pessoal
com a qual estamos sempre a tentar reconciliar-nos.
lkj
Minha querida Blonde, hoje, agorinha mesmo,
e para ti SEMPRE!, Joshua, só Joshua = Deus Salva!
lkj
TODA A TERNURA!

*KENOSE: cf. Fl 2, 7. A expressão «esvaziou-se de si mesmo» ou «aniquilou-se»
tornou-se substantivo na nossa língua. O Filho permanece Deus ao incarnar,
mas despoja-Se da sua glória a ponto de ficar «irreconhecível» (cf. Is 53, 2-3).
lkj
A kenose é a maneira divina de amar: tornar-se homem até ao fim, sem se impor nem forçar.
Trata-se, em primeiro lugar, da kenose do Verbo na Encarnação,
que se completa na kenose do Espírito Santo na Igreja e revela a do Deus vivo na criação.
O mistério da Aliança está por debaixo do sinal da kenose:
quanto mais profunda for, mais total é a união.
A nossa divinização é o encontro da kenose de Deus com a do homem,
e traz consigo a exigência fundamental do Evangelho:
seremos um com Cristo,
na medida em que nos «perdermos» por causa d’Ele.

6 comentários:

Blondewithaphd disse...

All is well!
Respondo-te melhor lá no meu lado.
E não me dês tantas preocupações homem!

Robin Hood disse...

Eh pá, o post anterior era bem melhor. Nunca te acobardes perante quem te chateia. Um Joshua é um Joshua.

antonio ganhão disse...

Realmente, o papel de gatinho amoroso não te cola...

quintarantino disse...

Fellini, assim é de homem.
Agora deixas passar comentários de gente reles?

Fá menor disse...

Obrigada, Joshua!
És LINDO!

SILÊNCIO CULPADO disse...

Ai Jesus, Joshua
Concordo que te redimas perante a Blonde mas a fé ainda não me tocou. Bem gostava, Joshua.