terça-feira, dezembro 11, 2007

PÉNIS FELIZ


Neste momento, não me encontro bem-humorado.
Estou cansado!
Dei uma aula a um 7.º ano que superpovoava a sala.
Suportei que me tocassem, que me pedissem o mesmo (ir ao quadro)
dezenas de vozes, dezenas de vezes, ao mesmo tempo.
Estou exausto!
Os mais insurras (dois ou três) comportaram-se com uma insolência simpática, intocável,
irredutível dentro da toada de insurreição habitual. Nada os convence nem dobra.
Estou de rastos!
Os filhos dos colegas da escola, sendo capazes e inteligentes,
só fazem os que lhes apetece, cavalgando corcéis de desobediência
e de perturbação sorna com as costas a escaldar de outra intocabilidade.
Estou que não posso!
Como se pode ser insensível aos pólipos de uma voz erodida?
Isto passa.
Outras aulas prazenteiras terei, como tenho tido.
Entretanto, estou mal-humorado. Fulmino tudo com o olhar.
Não serei humano e sensível, nos próximos minutos.
Não serei simpático e atencioso e sorridente para ninguém, nos próximos minutos.
Um homem recupera sempre!
Isto passa!
E segue em frente.

5 comentários:

Blondewithaphd disse...

Dearest, I have days like that too (not that I teach pre-adolescents loaded with hormones and a feeling of "Mutiny on Bounty") but, honestly, there are days when we are really beat.
(Off the record, I enjoyed reading, a different bitterness from other texts, I just didn't get the title, but the image is most adequate: a day-to-day Superman is what you are!)

antonio ganhão disse...

Precisamos urgentemente de um novo paradigma para a nossa educção e de novos professores. Maria, salva-nos!

Pata Negra disse...

Oh Stor, quando for grande não quero ser professor!

Tiago R Cardoso disse...

Como dissestes nos próximos minutos achei por bem espera para te comentar umas horas...

espero que estejas melhor.

Lia disse...

Acho que essa falta de educação e respeito (porque não tem outro nome) já vem da educação que levam por parte dos pais e familiares e muitas das vezes também pelas más companhias...
Esta é a minha opinião, não queria estar no lugar dos professores...da maneira como as coisas andam, não sei onde a educação vai parar. Já ninguém respeita ninguém.
beijito