sábado, julho 02, 2011

GAJAS NA GRANDE MAÇÃ

A dado momento, o ex-chefe do FMI pensou que as gajas na Grande Maçã eram um petisco perigoso, por isso irresistível, e ontem, a sua primeira noite em liberdade, jantando num restaurante italiano [o Scalinatella do Upper East Side, como detalha o «mestre da irrisão»] em Nova Iorque com a mulher, Anne Sinclair, e um casal amigo, deve ter pensado: «Mon Dieu, je suis un veritable con!»

2 comentários:

floribundus disse...

ou como dizia De gaule no Maio de 68
'je suis un vieil connard'.

vai continuar
'está na massa do sangue'

Anónimo disse...

Eu gosto do sensualão mulherengo-mor. Pronto, tá dito.
Viva l'Italia

Virginia