sexta-feira, julho 01, 2011

MOSCAS QUE DORMEM TÃO JUSTAMENTE

«O BE, no dizer de ainda escassos comentadeiros-televisivos, "vai desaparecer". Talvez demasiado drástico  mesmo para uma democracia-de-carnaval como a nossa que já viu aparecer e desaparecer autarcas, deputados e partidos "de Verão". Mas que vai caír ainda mais, vai. Ou, pelo menos, flutuar MUITO em sondagens de variadíssima qualidade (daquelas que os dirigentes se apressam a dizer que "valem o que valem"). Até porque a sua missão terminou. O BE firmava-se no luxo estético-esquerdista de uma sociedade capitalista e próspera, de boas perspectivas e de hábitos doces  financiados pelos malditos banqueiros, esses cabrões. A realidade mal-cheirosa e sovaquenta veio quebrar a brincadeira juvenil dessa política de festival e de novo-grafismo. E as fufices promovidas (que agora já não interessam a ninguém, nem ao Menino Jesus), que afinal de contas não fizeram ninguém feliz. Significativamente, e porque as Finanças Públicas e Impostos Extraordinários são mais importantes, a crise profunda do Bloco e a encenação de revitalização que Rosas, Louçã e outras múmias levam a cabo, tem passado ao lado e de mansinho. O sindicalismo dinossáurico e bafiento dos srs. silva e proença vai pelo mesmo caminho; o que os aflige é a futura inutilidade dos seus modos de vida  tal vai ser a queda na realidade que algumas (apenas algumas...) privatizações vão implicar. Mas que não se acorde as moscas que dormem tão justamente...» Besta Imunda

Sem comentários: