terça-feira, dezembro 29, 2009

CUECA, NOVA ARMA DE TERROR

É incrível a criatividade de essa extensa Vara de Terroristas, da chamada Al Qaeda, apostada no espectáculo milenarista do absurdo, miragem de conquista do Ocidente pelo sémen e pela morte, pelo território arrecadado aos infiéis para ser posse dos seguidores de Alá: fazer da cueca [e da calcinha] uma arma de destruição maciça é uma nova perspectiva que o Islão radical nos oferece, graças à inépcia de Omar Farouk Abdulmutallab. Além da extensa invasão dos países nórdicos por uma mole imigrante de árabes, iranianos e outros povos de cultura não centro-europeia, beneficiando dos subsídios generosos de uma Suécia e quejandos, casando com as moças libertárias locais, ímpares no libertário europeu, e submetendo-as aos padrões machistas da cultura de origem, só nos faltava a cueca como última arma genial para abater a aviação comercial. Certo é que as revistas nos aeroportos nunca serão as mesmas e eu penso com pena nos casais de velhos virgens de voar vindos do interior; desses que levam farnel para o avião como se fossem em "excursão" a Amarante, e que, pânico ou emoção, se mijam e se cagam no processo de decolagem. Tenho pena do que nos passarão a exigir a todos: «Tire as cuecas, por favor.» Diz-me a cueca que "envergas", dir-te-ei quem és.

2 comentários:

Nuno Castelo-Branco disse...

Pois, mas os americanos acham que a coisa "não é" assim tão perigosa.

joshua disse...

Acham mal. Quem enche uma cueca de explosivos, enche qualquer coisa... íntima.