domingo, dezembro 27, 2009

ESTRELA-BOCA ABERTA EM LÁTEGO

Uma das figuras mais moralmente lassas e politicamente obesas do Regime é Edite Estrela. O socialismo mais parolo bateu-lhe à porta e entrou porque ela estava em casa. Exemplifica todas aquelas figuras que, chegadas ao Parlamento Europeu, naquele percurso que a decadente nomenclatura política nacional faz peregrinamente, abandalha todos os critérios de nobreza e elevação, de resto até ali rarefeitos. Há dias, Mário Crespo denunciava uma inominável e ardilosa perfídia entre quase todos os eurodeputados contra Nuno Melo: «A esquerda portuguesa no Parlamento Europeu uniu-se contra Nuno Melo por uma questão de etiqueta. PS, PCP e BE acham não foi de bom-tom interpelar o Procurador Lopes de Mota no plenário em Estrasburgo sobre a sua tentativa de manipulação da justiça.» Tornam-se muitos deles apátridas e funcionarizam-se actuando em bando-hiena. Jaime Silva foi recompensado por ter castrado a agricultura e as pescas nacionais, mergulhando-nos ainda mais na estagnação vigente, amputando-nos o velho último recurso quando o desemprego explodiu. À Edite coube agora a vez de abrir a boca em língua-látego para continuar a flagelar a já flagelada e crucificada figura do PR. Esta gente nunca se sacia de cínico.

1 comentário:

Anónimo disse...

Vozes de asnos não chegam ao céu - A sua linguagem é típica da direita, anti-democrática, intolerante, racionária e arruadeira -