segunda-feira, dezembro 28, 2009

PARA COINCINERAR A PROPOSTA

A proposta do novo ME é mais do mesmo. Em alguns dos sindicatos hesitantes ou pemissivos quanto a acordos com o Governo, em troca dos pratos de lentilhas habituais, não se pode confiar nem às claras nem às cegas, depois de certos tiros nos pés nos últimos dois anos. Com os movimentos de professores, MUP e PROmova, somos contra a manutenção de qualquer sistema de quotas ou contingentação administrativa (convém ter presente que todos os partidos da oposição estão contra a aplicação das quotas ao sistema de ensino, pelo que ninguém compreenderia que este aspecto viesse a ser aceite); penalizações introduzidas pela nova estrutura da carreira, tendo sempre por referência a situação verificada antes do concurso para professor titular e uma vez contabilizado o tempo decorrido desde aí; contra qualquer possibilidade de se implementarem nas escolas processos e práticas de avaliação entre pares que remetam para o anterior modelo de avaliação, nomeadamente, burocratização, ocupação excessiva ou valorização de tudo o que fuja ao controlo do professor e não esteja ligado à tarefa de ensinar (sem ditaduras pedagógicas) e, sobretudo, processos avaliativos subjectivizados, envolvidos em secretismo ou que escapem ao controlo e à iniciativa do grupo disciplinar e do departamento respectivo.

2 comentários:

Anónimo disse...

"penalizações introduzidas pela nova estrutura da carreira, tendo sempre por referência a situação verificada antes do concurso para professor titular e uma vez contabilizado o tempo decorrido desde aí;"
Joshua essa é efectivamente a penalização que os docentes de dez a catorze anos de serviço estão a ser alvo. Estamos com sensivelmente dois anos e meio de congelamento, estavamso no antigo 5.º escalão e fomos recambiados para o 2.º e nunca mais saímos de lá. Vi a proposta do M. E. e vi os rebuçados dados a algumas categorias. Temos todos de pedir o reposicionamento no eventual novo ECD consoante os anos de serviço. Caso não seja aceite temso de entrar para recursos legais, noemadamente tribunal administrativo.

João António disse...

De acordo meu caro !