sexta-feira, dezembro 11, 2009

LACINHOS DE PERDIÇÃO


Em tempos ultraperversos, onde o ónus impende sobre uma mole de sobreviventes, precários e esfomeados, é bom beber a largos tragos o prazer de uma irónica lucidez. Um enorme abraço para o meu amigo Pata Negra: «Qualquer dia ainda vamos ver manifestações de trabalhadores reclamando a descida do salário e a subida dos impostos. Sim, porque não é só o senhor Nicolau que tem consciência da crise, nós, os trabalhadores, melhor do que ele, temos consciência de que a crise só será ultrapassada com o aprofundamento da crise, isto é, com a progressiva diminuição do poder de compra, com o aumento do desemprego, com a retirada dos direitos sociais, e até dos direitos humanos, se isso for necessário para ultrapassar esta crise. E mais, para que a crise seja ultrapassada é necessário que haja gente bem paga, com ideias geniais para resolver a crise. Como aqueles génios economistas - quase sempre ex-ministros das finanças, ex-governadores de bancos - que estudaram anos e chegaram à conclusão que a crise se resolve com o aumento das receitas e a diminuição das despesas! Nasci em tempo de crise, cresci em tempo de crise, vivo em tempo de crise e vou morrer em tempo de crise. Posso morrer pela crise mas por favor não me sepultem ao lado do senhor Nicolau.» Pata Negra

1 comentário:

Manuel Brás disse...

Que papagaios tão janotas!

Lacinhos de perdição
em formas e colorações,
é tremenda a contradição
em tão doutas erudições.

É miserável a perseguição
destes discursos letrados,
provocando-nos irritação
os papagaios amestrados.

É com muita tranquilidade
que se vive na podridão,
esta abjecta normalidade
espelha a nossa lassidão.

Com a nau atolada
em terrenos pantanosos,
a decadência revelada
depois de anos luminosos.