sexta-feira, dezembro 25, 2009

PLATINI OU CADA TIRO CADA MELRO


Cada cavadela, cada minhoca. Michel Platini está para a moralização do negócio "futebol" ou para a isenção dentro dele como a Cicciolina está para o activismo anti-sodomia com animais. Se o Michel considera serem os favoritos os que enuncia [Brasil, França, Espanha, Inglaterra, Itália, Holanda e até a África do Sul], oxalá haja tamanhas surpresas que ele se engane na mesma proporção com que a Irlanda foi escandalosa e exemplarmente prejudicada. À semelhança de um ou outro líder interno no futebol, aquilo é cada tiro, cada melro. Não é possível esquecer os platinismos sempre que se pronunciava sobre o FC Porto, quando o Benfica de Vieira jogava sujo e jogava baixo nos corredores jurídicos da UEFA. Entretanto, todo esse paleio dos "favoritos" é somente um passe promocional. E aqui, como sempre, o fancófono Platini subestima a esperança e o potencial comercial de milhões de petit portugais espalhados pelo mundo, às centenas de milhar radicados na África do Sul e às dezenas de milhar exercendo actividades de enorme importância e extrema responsabilidade, desde lavar escadas e vãos de escadas a gerir autarquias, em Paris e por toda a França, desde há décadas. Promoção por promoção, não compreendo por que motivo o reduzido universo da francofonia, que Platini representa, subestima, por sistema, por desdém, por viciozinho invejoso, o vastíssimo mundo lusófono, extensamente implantado em África. Só pode ser um, como direi?!, platinismo.

1 comentário:

Nuno Castelo-Branco disse...

Não. É a típica França, em vias de extinção. Finalmente.