quinta-feira, dezembro 17, 2009

TERRAMOTO EM TERRAS DO SUL


Às vezes, a terra treme em pleno pecado. Transborda a cidade de sem-vergonha e a terra treme, num furor, num rumor, de Monstro voraz, ceifando milhares de vidas em três tempos ou até menos. Treme a terra, leve manteiga ao dedo enérgico telúrico, e faz desmoronar toda a vaidade e toda a gula dedicadas em vão a esse ganho imoral, pífio, à custa de uma mole de indigentes espirituais, fáceis de enganar, enquanto olham para o chão, dia após dia, Governo após Governo. Fáceis de enganar por aqueles dedicados ao logro, uma vida inteira tecida a enganar. Torpe viver. Mas mesmo o ávido, o desmedido de si, danando quase todos, esse declarado inocente público que toda a vida sorveu o alheio em privado, e subiu na vida como um foguete de esterco, esse que pisoteou o inocente e prosperou à custa de cunhas, favores e comércios de porcaria, abusando dos de boa-fé e de quantos graças a si se desgraçaram no desespero, até esse imundo, esse impuro, estenderá a mão, pois saberá que, se lhe não aconteceu esmagar-se-lhe o crânio por uma espessa viga solta, bem que se lhe poderá abrir a mão em dádiva a quem precisa. E assim um desabrigado terá pão de três dias por donativo de um desbragado. Um desamparado terá tecto de lona por favor de um celerado. E vice-versa. Assim é. Assim será sob e após as ruinas de essa Cidade Emporcalhada de Pecado.

2 comentários:

Marcos Santos disse...

Me parece que esse morou por aqui.

Abraço

Anónimo disse...

O terramoto é culpa do Sócrates!