terça-feira, setembro 29, 2009

CAVACO, CONSPIRADOR CONSPIRADO

Infelizmente, Cavaco interveio por demais na dinâmica da campanha às legislativas assim que o dossiê escutas foi introduzido na agenda mediática e o seu silêncio, um silêncio presidencial, predominou após o cheque-mate governamental no serviçal e entorpecido DN. Deu-se, em grande parte devido a si-Cavaco, uma tragédia eleitoral com a continuidade e o reforço da felgueirização de Portugal, o escárnio da Justiça, o disfarce da incompetência mais atroz pela indústria esmagadora da imagem que cerca o Infelizmente-PM, coisa que o resume e lhe é tudo. Não se espere nada de Cavaco. Ficou patente como o factor reeleição lhe pesa muito mais, na sua fixação curricularista, que certas entorces democráticas perpetradas e reiteradas por José Sócrates e o Partido Sugador de Portugal ao logo dos últimos anos. O que aí se perfila são desculpas e justificações requentadas às quais provavelmente não prestaremos atenção. Na verdade, os estragos democráticos recentes foram massivos, talvez irreparáveis porque nunca se deve substimar o peso bruto da grunhice mais primária, que também vota e também escolhe por quem quer ser cavalgada e com que esporas ferinas nas ilhargas: «Cavaco Silva enviou hoje às diferentes redacções e publicou no site da Presidência da República uma nota onde convoca a comunicação social para uma declaração que terá lugar amanhã às 20h00.»

1 comentário:

Nuno Castelo-Branco disse...

Imagino o que dali sairá... Desculpas esfarrapadas à cata de votos para uma reeleição "muito vanitas".