segunda-feira, novembro 15, 2010

AMADO VON STAUFFENBERG

Amado tem insistido categoricamente na coisa coligatória de um modo tão veemente, tão suprapartidário e transPS  que é impossível não supor ali a ruptura, o contencioso interno com os desígnios de auto-perpetuação do seu chefe furibundo. Crivadas as razões do só agora e as pessoais, parece um excelente sinal. Pode começar por ele-Amado a brecha para o devido semicúpio, sedilúvio do País, a fim de que possamos respirar novos ares multilaterais e sobretudo recomeçar a partir da mais fria lucidez, longe da fantasia e da nuvem de patranhas e duplicidades destes seis anos de circo. Pois muito bem! Seja Amado o nosso Von Stauffenberg bem sucedido lá, onde o de carne, osso, razões e causa falhou por uma unha negra. O bunker-casamata da loucura está cada vez mais apertado.

2 comentários:

floribundus disse...

o mal amado ainda não se desmentiu como fez o conde drácula.

parece a velha anedota do
'big chief não caga'.
após purgante com dose de cavalo
passou a
«big caga no chief»

Carlos Portugal disse...

Caro Joshua:

Mas não há quem leve a pastinha para junto do putativo chefe, mas já agora com as duas cargas de explosivo plástico (von Stauffenberg só colocou uma, deitando a outra fora)?

Pois é, Homens com a nobreza e a honra de um Claus von Stauffenberg há muito poucos. E o Amado não é um deles - nenhum dos politiqueiros o é.

Cumprimentos.