domingo, novembro 14, 2010

UMA ABELHUDA POSEUR

O mundo ilusionista-devorista socratista não cai com a velocidade devida, ao ritmo que o pobre Portugal esbulhado mereceria. Em todo o caso, ele vai desmoronando aqui-Amado e ali-Ana Gomes, isolando as figuras e figurões que regiamente se abancaram no poder em Portugal contra Portugal e a favor dos grupelhos de pressão sugadora que bem sabemos. Madrinha de toda essa grotesca gente, desses Vara, desses Sócrates, Edite tem que chegue, espécie de versão em fêmea de Almeida Santos. Na verdade, não desmerece os atributos dos afilhados: «Edite Estrela foi apanhada numa escuta telefónica, quando conversava com Armando Vara, a dissertar sobre o carácter dos deputados socialistas ao Parlamento Europeu. Na conversa, divulgada pelo Correio da Manhã e que ontem correu blogues e sites da internet, Estrela apelidou Ana Gomes de "descabelada que só arranja problemas". Sobre Vital Moreira, que foi cabeça de lista nas eleições de 2009, a dirigente socialista considerou que foi "uma má escolha" que lhe iria "fazer a vida negra". De Elisa Ferreira, numa opinião partilhada por Armando Vara, Estrela disse que "é uma fingida com a agravante de ser amiga de Vital e Ana Gomes". Já sobre Correia de Campos, cuja saída do Governo considerou como "caso positivo", a líder dos socialistas nacionais no Parlamento Europeu condenou a sua inclusão nas listas europeias: "não faz sentido".»

6 comentários:

Miguel Gomes Coelho disse...

Joshua,
O seu ódio ao socratismo é tal que consegue achar positiva uma atitude rasca de um energúmeno pasquim.
Consegue surpreender-me o que é difícil.

joshua disse...

T. Mike, meu caro, o meu ódio ao socratismo tem uma explicação simples: Sócrates é apenas o símbolo de um partido que conduziu Portugal aonde está, que governou durante quinze anos, quando seria possível construir um País mais justo e mais próspero, onde as pessoas efectivamente estivessem em primeiro lugar.

O meu ódio ao socratismo é proporcional ao meu amor por Portugal.

Lamento todos os cidadãos mornos e frouxos que se mantiveram neutros, aguardaram calmamente pela decrepitude presente, para só então tomarem consciência das malfeitorias referidas.

Anónimo disse...

a mulher mais bonita da politica, segundo ela

a pedincha já chegou a Timor Lorosae

Miguel Gomes Coelho disse...

Caro Joshua,
Sobre o que pensa do socratismo não tenho dúvidas.
O meu comentário era sobre o pasquim e a sua utilização.
As saudações habituais.

PS.Claro que não estou de acordo consigo e estou bem frio, não gosto nada do morno...

Eduardo Freitas disse...

O pasquim tem que ser pluralizado já que um dos do amigo Joaquim também pegou na coisa.

Miguel Gomes Coelho disse...

Tem toda a razão Eduardo F. .O DN também desceu para o mesmo estado.