segunda-feira, novembro 22, 2010

É DIFÍCIL TER PENA DELES

De olhos postos no chão e a moral nula, o Governo é um farrapo que dá pena e no entanto não a merece de todo. Há escassas razões para ter compaixão de essa gente (assessores, ministros,  opinadores regimentais, o Primeiro-Ministro) hoje silentes como ratos, mas que estilhaçaram com Portugal, começando por perseguir gente de carne e osso com muitos anos de docência (para rigorosamente nada); depois dissipando milhares de milhões de euros do erário a garantir as eleições de Setembro, 2009 e depois ainda, isto: como um cancro, o pustulento optimismo falsário daquela gente superficial foi corroendo todas as contas e todas as opiniões mercadistas. Hoje a despesa do Estado descarrilou, a bancarrota iminente tem um rosto, e mesmo o FMI, que há que evitar a todo o transe, pode entrar cá, triturando as negaças e as negativas de Teixeira dos Santos, tal como sucedeu com os tristes e inúteis compassos de espera grego e irlandês. Por cá, traição das traições, os impostos estão no extremo do suportável. Os salários na função pública caem a pique, as prestações sociais são extintas ou estranguladas. É difícil ter pena deles. Poder, Poder e Poder e vai tudo ao fundo, salvo algum milagre de petróleo ou ouro ou suor a triplicar.

3 comentários:

Daniel Santos disse...

Cavaco diz que estamos diferentes da Irlanda. Se cavaco diz o povo acredita.

Pata Negra disse...

O Cavaco diz que bem avisou! Atão e eu?! E tantos?!

Sem compaixão: muitos vacilaram pelo mando dos seus discursos - medidas! Chamam-lhes eles!
Se para salvar uns é necessário imobilizar alguns, então tragam-me as algemas!

floribundus disse...

o animal feroz
ainda acaba no jardim zoológico ou num circo.

o conde drácula ajudou ao enterro.

pago os impostos e sandes aos esfomeados