domingo, novembro 21, 2010

DO MESMO VENENO DUAS VEZES

Amado, por aquilo que ousou denunciar urgente um governo forte e alargado  e em risco  o Euro  e pelo que evidenciou capitular na governação socratinesca, é já um alvo a abater pelo spin de assessores/gestores "políticos" das Palavras, Imagens e Aparências socratescas, Clara Ferreira Alves do Eixo Maligno incluída, já que o desancou como se o herege tivesse blasfemado contra a Pátria, ousando desvelar ao mundo a já universalmente consabida nudez do rei. Por sua vez, Santana, na TVI, propõe, na mesma linha de consenso amplo, um arremedo administrativo credível, mas não legitimado, para atravessar a Crise, a Dívida, o Défice: como se para si tal ideia fosse uma moça loira, suculenta, irresistível, deixa-se de novo levar pela defesa de uma espontânea e bem intencionada Coligação Salvífica Geral da Pátria que depois alguém trataria de liderar. Estava evidentemente excitado no directo com Carrilho. E essa excitação até é compreensível uma vez que, em última análise, a evacuação violenta, a 28 de Novembro de 2004, das funções que por sua honra jurou desempenhar substituindo Barroso desaguou nisto. Neste lixo, nesta desagregação insana da economia do País às mãos "suaves" e "competentes" do "abnegado" socialismo rapace e amiguista. Eu, por mim, compreendo Santana muito bem, mesmo quando, tendo sofrido o que sofreu após a Deserção Barroso, concebe como ainda putativo que se tome duas vezes do mesmo veneno. Há ali um fundo bom que sofre por Portugal e tem urgência. Quem o poderá censurar?!

1 comentário:

floribundus disse...

o sapatilhas quer sair com um pontapé no cu para continuar a queixar-se dos outros