terça-feira, novembro 16, 2010

EUROPA DE ROMPUY

Quando Rompuy fala, isso quer dizer que ninguém falou. Em todo o caso, o homem perorou e o que disse é grave num tempo em que tudo o que se diga é sempre grave e pretextual ao gatilho leve dos mercados. O pobre líder-fantoche do eixo franco-alemão simboliza a obscuridade planetária para onde a Europa já caminha. Como? Subvertendo a lógica de força inter-estados, ostracizando os Estados Menores atolados em dívida, como os periféricos de que fazemos parte. Se há um risco de colapso e enterro do desenho burocrático europeu chamado União, risco para o qual Rompuy alerta, esse enterro começa na neomoralidade oportunística franco-alemã, com terreno livre no nosso caso apenas porque o amadorismo governamental voluntarista português foi uma constante. Por isso, para além dos erros próprios, que são imensos, os tempos de clarificação europeia que vivemos vão exigir-nos metas novas já a partir da hecatombe orçamental de 2011: a) um novo paradigma económico que "esqueça" a Europa 'milagreira' para onde exportamos pouco e de onde importamos de mais. b) Um qualquer acesso de orgulho nos transforme no que evite um presidente endoidecido de uma República Checa qualquer insultar-nos o défice, hostilizando grotescamente quem da nossa parte o visita. 

2 comentários:

Manuel Rocha disse...

Deixas-me assinar por baixo com excepção da previsão de "hecatombe para 2011" ( o futuro ainda não foi escrito....)?
;)
Aleluia, Joshua!

Abraço

Para a Posteridade e mais Além disse...

Um qualquer acesso de orgulho nos transforme .....no que evite?

um presidente endoidecido
(mas um economista lúcido)

não será preferível
a um político lúcido
(mas um economista endoidecido)
de uma República Checa qualquer
10 milhões de checos que graças a políticas económicas fortes e alicerçadas no vizinho alemão valem mais que um Portugal

insultar-nos o défice, hostilizando grotescamente quem da nossa parte o visita

a visita também insulta grotescamente os checos
não admitidos no euro e muito mais capazes do que nós
política e economicamente

a coroa valia 5$00 no início do século
hoje vale quase 8$00
apreciou-se e não se depreciou

logo um presidente de um estado a necessitar de remendos
não deve insultar com paternalismos imbecis

um país que tem mérito próprio
e não precisa ser menorizado
como se os nossos empresários fossem trazer mais valias na europa central....

endoidecido? nem por isso

quando se tem desprezo por alguém
deve-se demonstrá-lo