terça-feira, junho 14, 2011

CÓPULA

A duração do estado de graça do Governo Passos/Portas, a empossar, será directamente proporcional à capacidade de nos dizer a verdade toda, a cada passo. Mais do que esperança que nos dê, precisamos da dádiva de sinais objectivos e exemplos bons e evidentes. É, sempre foi, ao Estado que caberia fazer austeridade, impor-se realismo e viver com frugalidade nórdica. Em vez disso, pagamos tudo, que até parece crime. Empobrecemos. Emigramos. Entristecemos.

3 comentários:

floribundus disse...

na fac, anos 50, cantavam à despedida
'é só irmãos,
é só até mais ver.
havemos de voltar'.

ou dar a volta

lawrence disse...

A minha escala de aceitação do novo governo começa no nº 0.
à medida que forem fazendo o que é necessário, por doloroso que seja irá subindo na escala.
O mudar de nível tem a ver com o trabalho de consolidação, ou seja, fazer o necessário para que no governo seguinte, que será ps, não volte tudo atrás outra vez.
Ou teremos que ser nós, eleitores, a não permitir que esses venham desbaratar outra vez o que for feito.

MBO disse...

Em defesa de Portas:

http://supraciliar.blogspot.com/2011/06/em-defesa-de-paulo-portas.html