domingo, junho 12, 2011

INSEGURO

Com toda a legitimidade e verdade, o PS é hoje olhado por uma enorme maioria como um partido absolutamente nocivo e inteiramente daninho a Portugal. Até nisso é reincidente. Os Portugueses que olham o PS como uma coisa amarfanhada, máfia, antro de facadas ao País, não têm culpa de o sentir nem têm culpa de pensar assim. É a história recente e «é a vida». Como foi possível um Partido descer tão abaixo do conceito e prática de quadrilha?! Limpem agora as mãos à parede todos aqueles que se colaram a Sócrates, como foi o caso do papagaio loquaz e vácuo Assis ou do buda sentado e risonho António Costa, tão amarelos, tão frouxos e incapazes de autocrítica, de uma denúncia viril. Só Seguro não está nem pode estar inseguro de conquistar a liderança, pois não se comprometeu demasiado com o lixo que vigorou no Rato [quero pelo menos acreditar nisso!]. Trata-se de um homem sensato, humano e bom, após tanta animal anormalidade socratinesca, tanta malícia, tanta conspiração politiqueira, tanta artificialidade circense, tanto devorismo e dissipação, tão feroz desprezo objectivo pelas pessoas concretas. O Diabo não faria pior a Portugal que esse anunciado e insultuoso estudante de filosofia, em Paris. Vejo, portanto, em Seguro um Patriota como me vejo a mim. Talvez ele seja o derradeiro milagre e a derradeira esperança emergindo finalmente de uma coisa brutal, desumana e distorcida chamada PS.

3 comentários:

JFrade disse...

Eu, pelo seguro, não confiaria tanto.
JFrade

Miguel Dias disse...

Que não se fie tanto no Seguro, é igual aos outros que estiveram no Governo de José Sócrates, apenas se manteve à distância para mais tarde "sacar" do argumento da independência ideológica dentro do PS no tempo do socratismo. Apenas como um bom argumento, porque no fundo é mais um "rato" da lixeira socialista/socratista.

Anónimo disse...

Sabem porque é que o Seguro não gosta do Sócrates? É que o Sócrates tentou acabar com o regabofe das farmácias e a mulher do Seguro tem umas 4 nas Caldas, Ah pois é! Há sempre uma razão...