terça-feira, fevereiro 22, 2011

LIBIDO LIBERTÁRIA LÍBIA

Há sempre beleza numa revolução. Sempre. Umas com consequências mais libertadoras que outras, conforme a História bem atesta, para não falar nos avanços e recuos. Na Líbia, a coisa mostra-se fulminante e sangrenta em face do que se passou na Tunísia e no Egipto. Ali a brutalidade repressiva já excedeu expectativas e a entrega apaixonada só pode ser premente: ou agora ou nunca. Bengasi e Sirte já lá cantam do lado dos insurgentes. O regime de Muammar Khadafi vai angustiado e não seguro. Ainda bem. Verificam-se deserções de monta nas suas hostes. Qualquer coisa de novo e profundo faz caminho, embora incerto. Nasce a pulso, entre vítimas, algozes vitimados, linchamentos, incêndios. Por vezes dá inveja tanta libido libertária, tanta generosidade em morrer. A liberdade é afrodisíaca.

3 comentários:

José Domingos disse...

O que vale, é que a Libia, fazia parte, do concelho, dos direitos humanos, na onu.
Isto, é pura hopócresia.

Daniel Santos disse...

Um gajo que manda bombardear a sua própria população, um gajo que deu ordens à Policia e ao exército para reporem a suposta ordem publica, ao tiro se for preciso, não é Presidente e nem líder da revolução, na realidade é um grande filho-da-puta.

floribundus disse...

tal como as ditaduras
sabe-se apenas quando e como começam
uns tiros no cu curam a falta de emprego
1/4 da população mundial necessita a criação de 25 milhões da empregos /ano.
a sociedade é machista para benefício dos dirigentes. o Islamismo é para os pobres