quinta-feira, fevereiro 17, 2011

PIRA PARA DOIS

Coelho empurra com a barriga a necessidade de uma ruptura. Só que o enorme e grave problema de nula credibilidade e confiança nula externa é hoje. Já existe. Afundamo-nos, apesar de todos os shows de consumo imediato e optimismos pífios da companhia governamental de saltimbancos. Coelho não quererá aprender do mau teatro socialista a fim de evitar o pior do espectaculoso pantomineiro Primadonna? Está na hora. Deveria haver pudor para arrastar a mais artificial contemporização com este desgoverno até ao limite do limite: é hoje tão óbvio que a gestão pantomineiresca do Primadonna privilegiou a aparência e o comissionismo político ávido em detrimento do que urgia fazer para sustentabilizar o País. Maldade e glutonaria da mais pérfida, eis o rasto do socratismo-socialista. Prolongar portanto a agonia de um tal trajecto corresponde ao acalentar de uma pira funerária para dois, PS e PSD, velhos cúmplices na merda em que mergulhamos. Já só falta o rastilho de uma hecatombe social.

1 comentário:

José Domingos disse...

E o povo, paga, para chafurdar na merda.Labregos.