sexta-feira, fevereiro 11, 2011

MONOPÓLIO DA FRIEZA

O João Gonçalves, uma espécie de Mourinho da blogosfera nacional, só que com mais derrotas, embora menos que as de Pacheco Pereira, acha deter o monopólio da frieza e diz que «há coisas que não podem ser avaliadas com emoção histérica como se estivéssemos num programa da Julinha Pinheiro.» Pois não. Com toda a frieza, declaro irrelevante o propósito ou despropósito do Bloco de Esquerda, que «não será propriamente o de derrubar este Governo», concedo. Acho, porém, miserável que no transe desastroso português enterrado de dívida descomunal todas as semanas, uma moção de censura tenha de ser má apenas por ser do Bloco, enquanto afinal PSD e PP descarregam dia a dia o legítimo carregador de críticas sobre um Governo há muito descredibilizado e objectivamente danoso, disfuncional nas suas funções. Fazem-no sem outros efeitos que a conjugação de verbos e o rendilhado da frase. Sócrates, que nos trouxe à bancarrota e já nos vendeu à China, às Arábias e a outras tiranias endinheiradas, afinal não obtém dos Mercados qualquer armistício especulativo, pudera!, nem poupa os Contribuintes. Não temos por onde apodrecer mais ainda. O que urge é mudar sem mais.

1 comentário:

floribundus disse...

meu Caro
aconselho a leitura do Portugal Profundo do Prof. Caldeira