sexta-feira, junho 19, 2009

LURDES, MAIS ANARCO-ESTALINISMO

Porque sabe que perdeu os professores, mas acha ter ganho a população, Lurdes, a torcionária torquemada da deseducação, quer ser igual a si mesma e, portanto, ser "popular", insistindo no Trambolho pseudo-avaliativo e, mais que isso, sob a expectativa de que não será corrida com o resultado mais humilhante de sempre do PS, parece futurar continuar em funções em 2010 ou que o bom senso não regressará à Terra Queimada da Educação, mudando o Governo. Será que pensa ser Portugal como o Irão, na hora de proclamar os resultados eleitorais?! Que fundamentos para esta fé cega num prolongamento do trabalho ministerial devastador por mais um ciclo avaliativo, numa linha esgotada e sem qualquer futuro?! Eis o enorme mistério só cognoscível à grande Vidente anarco-estalinista do Socratismo Ortodoxo: «A ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, admite manter a versão simplificada do modelo de avaliação de desempenho docente por mais um ciclo avaliativo.»

5 comentários:

nelson Moniz disse...

A nossa estimada ministra da educação diabolizou os professores regogijando-se na célebre frase:
“ perdi os professores mas ganhei a opinião pública”. Afinal, não é bem assim, pois não temos apenas um cordeiro, temos a pele estratégica do primeiro ministro a contaminar todas as vozes políticas socialistas que vêem o tacho cada vez mais longe. Por um tacho é preciso utilizar todos os meios virtuais, por mais hipócritas que sejam, o que interessa é o que está para além das eleições.
Agora já podemos respirar três meses de paz educativa. Depois, se este retalho socialista ganhar, voltam a pôr-nos as malditas algemas, ditando: tens que ter um dossier colorido, com tudo registado, não podes ambicionar a alma educativa; este espaço criativo e pedagógico não pode ser materializado; pois podes fugir à paupérrima uniformidade pedagógica e podes ser estupidamente castigado com ameaças; se não cumprires o que a ignorância educativa te obriga. Não podemos correr este risco pondo em perigo o futuro educativo das crianças; não podemos adiar esta paixão de ensinar por mais tempo; temos de romper com tudo o que esta ministra fez de mal aos professores; temos que nos organizar na estratégia política para as próximas eleições. O que sobressai da vontade docente é não votar neste partido socialista; mas temos que fazer mais; temos que convencer os pais, encarregados de educação, que para bem dos filhos têm que votar em todos os partidos menos neste socialismo moribundo e náusico. Só assim poderemos tirar as algemas que nos acompanham na educação; só assim poderemos expurgar as algemas que nos atormentam o espírito da missão educativa.

manuel gouveia disse...

Não sei! Com a MFL a dizer que paralisará o país até a retoma chegar, voltaremos à conclusão de que Sócrates não tem alternativa!

Nelson Moniz disse...

A nossa estimada ministra da educação diabolizou os professores regozijando-se na célebre frase:
“ perdi os professores mas ganhei a opinião pública”. Afinal, não é bem assim, pois não temos apenas um cordeiro, temos a pele estratégica do primeiro ministro a contaminar todas as vozes políticas socialistas que vêem o tacho cada vez mais longe. Por um tacho é preciso utilizar todos os meios virtuais, por mais hipócritas que sejam, o que interessa é o que está para além das eleições.
Agora já podemos respirar três meses de paz educativa. Depois, se este retalho socialista ganhar, voltam a pôr-nos as malditas algemas, ditando: tens que ter um dossier colorido, com tudo registado, não podes ambicionar a alma educativa; este espaço criativo e pedagógico não pode ser materializado; pois podes fugir à paupérrima uniformidade pedagógica e podes ser estupidamente castigado com ameaças; se não cumprires o que a ignorância educativa te obriga. Não podemos correr este risco pondo em perigo o futuro educativo das crianças; não podemos adiar esta paixão de ensinar por mais tempo; temos de romper com tudo o que esta ministra fez de mal aos professores; temos que nos organizar na estratégia política para as próximas eleições. O que sobressai da vontade docente é não votar neste partido socialista; mas temos que fazer mais; temos que convencer os pais, encarregados de educação, que para bem dos filhos têm que votar em todos os partidos menos neste socialismo moribundo e náusico. Só assim poderemos tirar as algemas que nos acompanham na educação; só assim poderemos expurgar as algemas que nos atormentam o espírito da missão educativa.

errata:regogizar por "regozijar"

joshua disse...

Inteiramente de acordo, Nelson. Algemados na própria generosidade de ensinar, revertidos em autómatos de directrizes ocas, há que reagir e Mudar, convencendo o máximo de cidadãos de boa vontade.

Unknown disse...

Olá Joshua!
Mais uma vez estamos em consonância.
Deixo-te aqui o link do que acabei de escrever:

http://peroladecultura.blogspot.com/2009/06/operacao-de-charme-para-enganar.html

Abraço grande.