quarta-feira, junho 17, 2009

MELÍFLUO SÓCRATES NO DIA D

Sereno, tranquilo, repleto de uma estranha moderação xanax que não interrompe e não se irrita e não se excede, foi assim que um Sócrates irreconhecível e caricatura se apresentou transmutado diante de Ana Lourenço, no Dia D. Mãos juntas, uma calma e uma abnegação do Poder estratosférica. Plácido. Melífluo. Explicador.

3 comentários:

Pata Negra disse...

Ora, agora que já todos achamos a necessidade e irreversabilidade da sua partida é que a criatura dá um ar da sua humanidade! É tarde!
Um abraço sem piedade

antonio ganhão disse...

Esperemos que seja mesmo tarde... o povo português sempre adorou as vitimas!

Anónimo disse...

E alguém acredita ? Eu ainda acredito na inteligência do povo português.