quinta-feira, dezembro 29, 2011

EL DORADO BRASILEIRO E A ESQUERDITE ROBÓTICA

Não importa se o Governo controla ou não controla os números dos portugueses que saem e, entre várias opções, demandam o Brasil como novo território de oportunidades e vida mais próspera, longe das depressões, paranóias e esquizofrenias europeias, parte delas típicas da velhice com o seu espírito sitiado e avaro, por natureza. Há uma crise demográfica em Portugal que atesta o desastre da corrupção e da vergonha de sucessivos governos incompetentes, supremamente demagógicos. O Brasil é um caso completametne à parte no que respeita ao êxodo português em decurso. Não compreendo aí o Tiago, mimalho de Esquerda, na sua esquerdite robótica que se exercita e se exerce como a lei da gravidade: o que é que este Governo tem a ver com isto?! O certo é que o Brasil se impõe economicamente por si mesmo e com números impressionantes: se atrai os portugueses, não atrai somente portugueses. Não é lá que está todo o dinheiro, pois a China é que o tem quase todo a título planetário [acabei de ler uma entrevista a Nelo Vingada, n'O Jogo, bastante esclarecedora desse ponto]. Mas é lá que os negócios florescem e as oporunidades se alargam, facilitadas pelo enorme continente da Língua Portuguesa que a estupidez burocrática lisboeta quer nivelar em brasileirês abortográfico. Tivesse Angola a mesma capacidade de absorção imigrante e a mesma "energia prosperitária" brasileira, já lá teria não cem mil, mas duzentos ou trezentos mil portugueses com ganhos internos óbvios quer em práticas e quer em competências profissionais: só na primeira metade deste ano, mais de 50 mil portugueses pediram residência no Brasil e multiplicam-se os trabalhadores ilegais. Ok. Mas também abundam os pequenos empresários portugueses no turismo e restauração um pouco por todo o litoral nordestino, fenómeno com mais de uma década. Habituei-me a ouvir dos meus amigos brasileiros uma insistente proposta, quando estive lá, há meses: «Portuga, fique. Aqui se cria tudo. Qualquer semente atirada à terra se converte em árvore. Nada falta. Fique, Portuga.» Eu sorria e dizia: «Ainda não chegou o momento, Brasuca!» Não foi desta que experimentei uma estadia mais prolongada. Tudo tem o seu tempo. Para partir ou ficar, move-me o amor, a necessidade, mas também a solidariedade familiar, coisa sagrada para quem, como eu, não concebe exilar os pais num criminoso lar Maquineta de Fazer Espanhóis. Não basta o odor a mudança feliz.

5 comentários:

Daniel Santos disse...

A ideia deveria ser lutar com todas as forças para remover deste país quem mentiu a um Portugal inteiro e agora governa.

Estes mestres da austeridade, que seguem o caminho do PS, só ficaram satisfeitos quando só cá estiverem em Portugal gente para pagar e despejar o resto para longe.

Temos de lutar para que a emigração de que se fala e se vê, seja uma opção e não uma obrigação para não se passar fome.

Anónimo disse...

Portugal nem de longe pode se considerar Oásis, é um país com uma sociedade racista cheio de burocracia, com uma economia fraca, uma justiça péssima, corrupção em todas as áreas. Pena que o Brasil foi descoberto por portugueses pois mesmo assim já é a 6º maior economia do mundo, se fosse descoberto pelos ingleses seria possivelmente a 1º ou 2º.

João das Regras disse...

"Anónimo disse...

Portugal nem de longe pode se considerar Oásis, é um país com uma sociedade racista cheio de burocracia, com uma economia fraca, uma justiça péssima, corrupção em todas as áreas. Pena que o Brasil foi descoberto por portugueses pois mesmo assim já é a 6º maior economia do mundo, se fosse descoberto pelos ingleses seria possivelmente a 1º ou 2º.

4:33 PM"



Ora bem, por onde começar? Já sei:


- Portugal, sociedade racista? Ao pé do Brasil, somos um paraíso neste quesito. No Brasil, quem nasce preto só serve para favelado e chulado toda a vida, sambista/cantor ou futebolista, MAIS NADA. Enfiaram o preto no Supremo, mas não lhe passam cartão;

- Burocracia? Diz o nu do roto;

- Economia fraca? A brasileira tem pés de barro e, já agora, PIB =/= PIB per capita, ó ignorante que se acha mais rico do que britânicos;

- Justiça péssima? Utilizando uma analogia com casas, se a justiça portuguesa fosse uma casa em péssimo estado, cheia de buracos e sem janelas, a brasileira seria uma barraca sem tecto. Mais uma vez, é o nu a falar de quem ao menos ainda tem roupa - esfarrapada, mas roupa;

- Corrupção? Idem, sócio, idem.

Com factos se desmontam argumentos de burros anónimos.
Portanto, a pseudo-sexta economia do mundo não passa de um país pejado de tontos com ressabiamentos históricos - ainda que muitos sejam descendentes dos colonos, pasme-se! -, que ainda acreditam (estupidamente) que uma colonização por britânicos ou franceses seria melhor.
Não, burro, teria sido bem pior. Terias uma sociedade racista como a dos EUA, exploração ainda mais flagrante e serias um lacaio dos EUA à mesma, tanso.

Já agora, é impressão minha ou és independente há CENTO E OITENTA E NOVE ANOS?
Manca-te, ignorante. Vai chorar para outra freguesia e leva os favelados, corruptos, ladrões, iludidos, ignorantes e cobardes como tu para bem longe.


Manda cumprimentos ao Tiradentes, de caminho. E olha-te ao espelho, rapaz. Tens um PIB per capita (lembras-te dele) quase três vezes menor do que o do Reino Unido. Em suma, tens dinheiro mas nunca verás um cêntimo dele nem viverás melhor.

Anónimo disse...

A solução não é sair/fugir, é ficar cá e desenvolver o país com todos os meios possíveis cá, a nossa nação - Portugal, precisamos é de um partido nacionalista no poder, PNR.

Anónimo disse...

"- Portugal, sociedade racista? Ao pé do Brasil, somos um paraíso neste quesito. No Brasil, quem nasce preto só serve para favelado e chulado toda a vida, sambista/cantor ou futebolista, MAIS NADA. Enfiaram o preto no Supremo, mas não lhe passam cartão;"

Hum...então é por isso é que não vejo ninguém suar...deve ser pra não criar catinga,é que com uma população em que 89% é mestiça é então por causa do auto-racismo lá deles que eu nunca vejo ninguém a laborar lá na amazónia.Só um português a nível laboral vale por três zucas,vejam as estatísticas que o comprovam.Colonizados por nós?Ha ha ha!Explorados isso sim!