segunda-feira, novembro 09, 2009

CÂMARA PINOCCHIANA


Belo espectáculo democrático, João! Então o João espeta uma farpa descomunal no Tiago, manifesta um desprezivo sectarismo para com ele por razões de opinião e de idade, e depois vem desenvolver o assunto e o insulto por interposto anonimato?! E isso é esquerda? É isso bonito ou decente? Uma vez mais fica a saber-se para que servem as assessorias moderneiras governamentais. São um antro de ócios e um laboratório de manobras de baixo nível contra os desalinhados do servilismo mais crasso e da dependência mais crónica e tóxica de essa espécie de Patronato de Estado em que o Socratismo se converteu. Existem para atirar cocktails molotov insultuosos aos opositores e às oposições, aos capazes de imagens sem subserviência nem temor ao Poder Mal-Eleito, imagens e comparações, como a da honestidade do PM e a monogamia de Cicciolina. Os ataques imediatos de assessores governamentais, forma dispendiosa de sovietizar em modo caniche toda a opinião circundante, procuram isolar e atemorizar o pluralismo anti-PS, a capacidade de ler a realidade política, as suas mentiras e as suas graves entorses, e o fazem sem respeitos humanos nem respeitinhos só por ser o sr. Sócrates. Pensei que vivia num país capaz de acomodar todas as «Cicciolinas» que habitam a liberdade do João Miguel Tavares e todos os bordéis hiperbólicos do jovem, mas não imberbe, João Tiago Ramalho. Pensei que por cá era possível o Poder condescender com o seu crítico mais feroz e mais ressentido e que jamais veria um homem livre e criativo, como JMT, processado pelo paquidérmico sensível Primeiro-Ministro para mais recorrendo ao mais caro dos advogados da praça, o Daniel Proença de Carvalho. Perante Ilona Staller, a extraordinária atriz, incapaz de processar humoristas, o PM e a sua corte de serviçais assessores fica mesmo muito mal.

1 comentário:

Quint disse...

Mas tu ainda lês merdas?