domingo, novembro 22, 2009

«NO CENTRO DO REGIME, O PSD APODRECE»

Nem mais. Escoram-se reciprocamente o PS e o PSD e ambos apodrecem de um apodrecer complementar e igualmente deprimente. A República não pode contar nem com o PSD nem com o PS. Os seus fantasmas perduram na véspera da completa desintegração. A queda do Regime é o facto iminente que inspira o catastrófico de todos os diagnósticos. A crise do PSD é uma coisa precursora do que espera o país e as suas instituições. Até disso o povo português, caso não passe fome, será absoluto espectador não interveniente diante do caos e do colapso das instituições da República. Pensará como de costume: «É uma coisa lá com eles, que se amanhem.» Tarde compreenderá que a miséria e a vergonha lhes explodiram na face sob décadas de complacência e alheamento.

4 comentários:

Quint disse...

Sabes como é, as colunas do regime têm de se suster uma à outra sob pena disto tudo ruir. E se ruir, lá se vão as colunas!

António de Almeida disse...

Tenho para mim que seria positivo para o país a implosão do PS e PSD. Perante um cenário de 7 ou 8 partidos no parlamento, passariamos a ser governados por coligações de 3 partidos, o que não seria necessariamente mau.

aristófanes disse...

Começo a assaltar-me a ideia de que qualquer "merda" serve desde que não seja esta que estou a suportar.

Deborah disse...

Olá. Sou brasileira e vejo que a falta de compromisso e seriedade em relação às políticas partidárias não acontecem somente aqui no Brasil, mas talvez seja um mal mundial.