terça-feira, julho 27, 2010

DOCE PASSIVO TAP

Chega-se a um momento em que os "socialistas" ou o PS-Governo não sabem o que fazer das palavras, havendo algumas que escaldam na língua mediática, que fala o conveniente e indolor. Por exemplo "privatizar". Qual a linguagem mais indicada para continuar a fingir um discurso de Esquerda enquanto se pratica pela Direita o que seja preciso embora pareça mal, tendo em conta a forte coacção de Bruxelas? «... a privatização da TAP consta do PEC que o governo entregou em Bruxelas. E é sugerida pela Comissão de Reestruturação Económica e Financeira da TAP, criada pelo governo em 2009, ano em que a empresa registou 200 milhões de euros de capitais próprios negativos. [...] O governo pode ainda optar por assumir o passivo da TAP num quadro de venda da empresa a privados, mas a alienação de 100% do capital não parece estar nos planos do executivo. A fusão da TAP com a angolana TAAG ou a brasileira TAM foram outros cenários equacionados na administração da empresa e no governo de José Sócrates. Os jogos de semântica ajudam ao controlo do ciclo das notícias, mas não são particularmente esclarecedores para a opinião pública.» Carlos Ferreira Madeira

Sem comentários: