quarta-feira, julho 21, 2010

INQUIRIR, ARQUIVAR, DESTRUIR

Uma das coisas mais fascinantes dos intérpretes e detentores da Justiça em Portugal é a extrema capacidade para abrir inquéritos, arquivá-los (porque se trabalha afanosamente para que não dêem em nada) mas sobretudo o que ressalta nesses intérpretes é a arte de destruir despachos ou outros produtos tóxicos de investigação criteriosa antes que (ou mesmo que) transvazem para a imprensa "sensacionalista". Oh, incongruência! Oh, leviandade! Pinto Monteiro deveria constar numa espécie de Guiness neste ponto: o Regime pertence também a quem obedientemente "manda" nele assim  inquirindo, arquivando, destruindo, peidando e escapando. Um doce a quem contradisser ser Pinto Monteirone talvez a mais sofisticada emanação do socialismo socratino, essa castração justiciária em processo. No fim, ouviremos um bonzo socialista a perorar que «nada foi provado». Claro, claro...

2 comentários:

Enrique Leirachá. disse...

Desexo agradecer a túa visita ao meu blogue e felicitarche polo teu sabendo que a pesares da distancia nos une a verdade toda e unha ferramenta cargada de futuro: A palabra.
Saúde e que todo vaia.
leirachaenhipnos.blogspot.com

Raul Gonzales disse...

Hi,iºam Raul from Madrid,Spain,you did a nice job with this website,i like your articles and you photos,i will visit you again soon to see the new post.bye bye,adios
Nehoiu online Marketing Asesinos seriales Directorio web SEO