quarta-feira, julho 21, 2010

FEROCIDADE TERMINAL

O que é o socialismo senão uma furiosa deriva do Poder pelo Poder? A nova liderança do PSD não é flor que se cheire, mas o PS há muito passou o prazo de validade atribuída à carne e ao iogurte. Por isso, para aquela gente ávida, Santos Silva, Vitalino Canas, Silva Pereira, José Sócrates, tudo serve para tentar reverter as sondagens mais recentes que favorecem PPC. São os últimos sinais da ferocidade terminal em que se encontra o socratismo. O anúncio das especificidades de uma proposta de revisão constitucional (nada mais que uma proposta discutível, passível de debate e aperfeiçoamento, quando estiver sobre uma mesa negocial) agitou de tal maneira as águas podres da política doméstica que as hienas socialistas logo rasgaram as vestes e vieram ser virginais, castas, santas, colocando no terreno os seus incontáveis títeres, múmias ressuscitadas para vomitar o dictat oportunista da clique socrática. Não se pode esquecer que esta gentinha governa de modo ultraliberal, se tiver maioria absoluta. Instila o respeitinho, pratica o assédio aos media, é "ultrassocial" e subsidiarista em período pré-eleitoral. Rebenta por isso mesmo com as contas públicas. Ninguém mais perito nos ajustes directos. Quando em minoria, esta gentinha pára pura e simplesmente de funcionar senão na mera lógica politiqueira. Nada mais traste e nada mais reles! 

Sem comentários: