sexta-feira, julho 23, 2010

INVERSAMENTE PROPORCIONAL

Aparentemente a Banca Portuguesa resiste aos testes de stresse, mas essa resistência só pode ser inversamente proporcional à paciência e resistência da esmagadora maioria dos Portugueses quer à adversidade da política e dos políticos quer também à adversidade nos processos de assédio e esbulho da mesmíssima Banca.

Sem comentários: