quinta-feira, outubro 20, 2011

DELÍRIOS DE CANIBAL CAVACO SILVA

Se o João diz que Cavaco Silva e Pedro Passos Coelho são dois patriotas e dois homens sérios nem por isso pode estar um deles isento de loucura e seus respectivos delírios. Não seria inédito. Inclino-me mais para que o elo fraco seja Cavaco que, sob fumos florentinos, encarnou nos últimos tempos a figura messiânica ou sibilina de quem avisa os pseudo-líderes Europeus com cavernosos e tardios avisos. Como poderia escutá-lo uma euronavegação há muito naufragada nos mares egoísticos e torpes do cada qual por si e ninguém pela Grécia?! Mas o meu amigo João diz mais: «Nenhum deles é um vulgar tagarela de corredor ou de televisão.» Concordo. Mas confesso que já não tenho nenhuma fé num deles nem no seu patriotismo afinal esquizofrénico e instabilizador: Cavaco representa instabilidade e o pioneirismo retrógrado da monstruosa colonização do Estado: não me apercebi de que a Presidência tenha decidido prescindir de parte do extenso séquito de assessores e avençados. Por isso duvido de um desses patriotas sérios e com um indeclinável sentido das responsabilidades. Duvido de Cavaco, ávido em perturbar as psiques em tempos de tão grave emergência nacional. Dito o que disse, e antes de ter agora de entender-se perfeitamente com o Primeiro-Ministro que empossou, nunca deveria ter alguma vez admitido desentender-se com ele no despudor da Praça Pública nem melindrá-lo. Desdizer e contrariar um Primeiro-Ministro que desgovernava, sim. Atrapalhar o desgraçado despesista-mor Sócrates, príncipe impune e imune do nosso descalabro por muitos e maus anos, sim. Agora, nesta fase, ter dito o que disse, nada mais malicioso e gratuito. Precisamos, todos, de cingir os rins, como os antigos, aprestar-nos para um combate duro, resistir, trabalhar mais. Por que nos não será dado algum milagre, novos Diogo Cão ou Bartolomeu Dias de cuja aventura intrépida e genial nos venham novas de esperança, Novos Longes. Talvez descubramos petróleo ou, melhor ainda, talvez façamos uma revolução cívica bottom up e alastre uma pressão para que todos juntos salvemos Portugal e a sua soberania ameaçada, com anos de colecta fiscal próxima dos 100%, após décadas de fuga antipatriótica na ordem dos 48%.

1 comentário:

floribundus disse...

estou a imaginar o PR com uma pena na cabeça e um osso no nariz

ao contrário de passos percebe de economia e receia, tal como eu, uma recessão para a próxima década.

siga o enterro