quinta-feira, outubro 27, 2011

ESPERANÇA NA NOSSA TERRA

«Com a industrialização da lavoura – algo que nos passou ao lado – fomos vivamente incentivados a abandonar o campo. E a Estatística registou, muito ufana: já só 3% dos portugueses vivem do que a terra dá. Por isso comemos hoje o que nos vendem os outros, membros ou não da UE. Num contínuo encolher de ombros ante a fatalidade. É onde retomo o tema da esperança. Que é feito de nós? Do que somos nós capazes? Aparentemente, de protestar apenas contra o aumento do custo de vida.» João Afonso Machado

2 comentários:

Miguel disse...

Eu gostava de vos ver com uma enxada na mão ao sol de verão, à chuva de Outono e ao gelo de Inverno...

Miguel disse...

Hoje falei com um agricultor, sabes o que ele me disse?
«os subsídios deram cabo da agricultura, vieram os oportunistas, à procura de dinheiro fácil, e deram cabo disto tudo»

Regulem a venda dos produtos às distribuidoras (Sonae, J. Martins) e logo se vê se a agricultura dá ou não dá dinheiro. Dar até dá, mas não ao produtor, dá sobretudo ao distribuidor. Enfim, vamos lá fazer piqueniques que o continente paga...