quinta-feira, outubro 27, 2011

MAIS HOLOFOTES EM SPOK-RODRIGUES

A sério que fico feliz com o sucesso de José Rodrigues dos Santos. Não me apoquenta minimamente a suposta polémica em torno de O Último Segredo, o último romance, mas não o definitivo, de JRS. Na hora de vender romances-tese e teses-romance, este pivot da RTP cujas orelhas parabólicas nos fazem duvidar se não será um extraterrestre escritor, um irmão escritor de Spok, o último dos duendes escritores com grande privança e amizade à Branca de Neve, não faz por menos: propõe-se revelar a «verdadeira identidade» de Jesus Cristo. Ok. Faz muito bem. Aproveitando o balanço, que tal encontrar os ossos de Maomé, o terceiro olho de Buda e as botas de Judas, onde quer que as tenha perdido?! Os evangelhos apócrifos pertencem a uma categoria de textos que está para a Palavra de Deus como a Caras para a revista Science: não têm nada a ver, servem propósitos absolutamente diversos e não está posto de parte que o sensacionalismo contido nesses apócrifos fosse a gorda minhoca no anzol suculento do texto, passível de negócio quanto mais absurdo, e seriam mais papiros em circulação por uma pequena soma de dinheiro. Por isso, continua a custar-me que o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura tenha perdido tempo a ler um romance. Não fazem mais nada senão lerem romances e dar relevância a autores e edições? O que se ganha em acusar o escritor de «escrever centenas de páginas sem saber do que fala»? Estarão os textos da Fé ao mesmo nível que a pena criativa e pesquisadora do Rodrigues na Wikipedia? Será que Rodrigues dos Santos e a minha Igreja Católica têm um convénio de promoção recíproca? Depois, quanto à treta de Cristo não ser cristão? Ó José, tu bebeste assim tanta água do 'nosso' Rego-d'Água? Essa designação é absolutamente tardia e portanto um anacronismo esperá-la aposta ao Cristo histórico. Inicialmente, a Fé era A Via e os que A seguiam [como ainda seguimos] chamavam-se [e chamam-se] os Santos, revestidos de Cristo, porque mergulhados no Seu Baptismo e no mistério da Sua Morte e Ressurreição. Quanto ao facto de Maria poder não ser virgem, nós, os crentes, amámo-La incondicionalmente e não estamos minimamente interessados em questões íntimas, especialmente tendo em conta o Bendito Fruto do Seu Ventre que A faz Bendita entre todas as mulheres.

1 comentário:

Miguel disse...

Deus e Cristo é fé, acreditar e acreditar. Não há nada dizer, ou se tem ou não se tem. Se ela existir, não cai ao primeiro sopro.