sábado, agosto 29, 2009

ESPUMAR DE ESTERTOR EMBUSTEIRO

Ninguém poderá esquecer o PS Autocentrado da Legislatura. Agora, Sócrates choraminga e ataca o programa do PSD, flanando as bandeiras-espantalho de todos os papões. Agora a palavra social não sai da boca do Ainda-PM. Agora o ministro bonzinho Vieira da Silva dá rosto ao canto de sereia PS. Mas para trás estão quatro anos e meio em que o Governo-PS fez sofrer os portugueses e ignorou olimpicamente quem sofria devido às suas políticas incompetentes, persecutórias, onde a punição e a exclusão pontificavam africanamente. Enquanto milhares se desempregavam a todos os níveis e a todos os níveis eram culpabilizados, todos podiam ver como paradoxalmente os PS respaldava, premiava, prebendava e sinecurava os seus. Como se não houvesse país senão essa ilha de interesses corporativos e favoritistas de um Partido apenas Ávido de cópulas com o Poder dos Mais Poderosos. Por isso, o descontentamento grassava. Engolir em seco e suportar um jugo desmesurado foi o que milhares tiveram de fazer. O descontentamente agravou-se com a reveladora Crise encarregada de denunciar essa promiscuidade activa governamentalesca com o Dinheiro e negligência grosseira com o Povo. E explodiu também de escândalo em escândalo, de abafamento em abafamento, de suspeição em suspeição. Por isso, federando insatisfações e descontamentos mais que justificados, toda a Oposição deseja repor Portugal. Apagar todas as marcas de um desastre falsário. Foram quatro anos de humilhações. Quatro anos de desdém pelo cidadão comum, esbulhado de Fisco e massacrado com propaganda espectacular para baralhar tudo e tornar a dar aos mesmos. Anos de empobrecimento. De desemprego estúpido, promovido na função pública e no sector privado, eliminando e desactivando pessoas para o vazio mais sacana e imperdoável. Massas foram privadas de dignidade, professores foram comprimidos de burocracia e menoscabados na sua função, segregados em função da sua opinião. Enquanto isso, a despesa pública não baixou. Pelo contrário. A sofreguidão clientelar pôde regalar-se ainda mais. Leis fiscais iníquas retroactivas levavam à miséria, sem apelo nem agravo, milhares de portugueses, atascados no bolso e desmoralizados na alma: «O secretário-geral do PS disse ontem em Faro discordar de uma Segurança Social em que esteja "cada um por si" e criticou o PSD por defender o plafonamento da Segurança Social portuguesa no seu programa apresentado publicamente quinta-feira.»

2 comentários:

Anónimo disse...

O que não é admissível é a Segurança Social de Sócrates, que se prepara para castigar os trabalhadores Independentes que mais trabalharem. Eles querem um país de subsidio-dependentes, de votos comprados e com o novo regime de contribuições para trabalhadores independentes, o mérito, o esforço, o trabalho será um motivo de castigo, com pesadas tributações baseadas em pressupostos irrealistas como taxar 70% dos rendimentos brutos, para lá do que se paga mensalmente, quer se ganhe, quer não. É um saque indecente feito por quem não percebe nada do que está a fazer ou porque quer mesmo eliminar essa classe de "independentes" transformado-os em miseráveis dóceis a receber o RSI. Só me apercebi verdadeiramente da barbaridade quando dei por mim a fazer contas e a pensar se vale a pena trabalhar no duro. Depois é que me apercebi que este pensamento negativo e impróprio de um pais competitivo se devia exclusivamente à medida do governo. Se trabalhar menos, pago menos e posso candidatar-me ao RSI. E para não perder o RSI vou votar PS para sempre. Brilhante não é?

Anónimo disse...

Alguém acha que a Segurança Social se aguenta se tudo começar a "fugir" para os PPR's e afins? E os desgraçados que não tem dinheiro para PPR's? É verdade que as reformas minimas são baixas mas se o sistema der o estouro como já esteve ameaçado em 2005, as reformas passam de minimas a 0 (zero)
Saúde nos privados?? Só quem não conheça o sistema americano é que pode achar que num País envelhecido como o nosso e com pessoas de baixos rendimentos, alguém vai optar pelo privado em detrimento do público? Acabam as Taxas Moderadoras e daqui a algum tempo está a MFL a dizer que não há dinheiro para hospitais nem centros de saúde...
É pena não verem a SIC Noticias porque se vissem o Paulo Mota Pinto ontem no "Expresso da Meia Noite", ele o grande mentor do programa do PSD ( pois...pois) veriam um individuo pouco esclarecido e bastante aflito para justificar o que diz o programa do seu partido.
Com a MFL é saltar da frigideira para o fogo. Se é tão boa porque não fez nada quando lá esteve? Ela e os seus ministros "repescados". Será que vao desistir as reformas douradas que recebem?? É só estrelas requentadas....Pachecos, Deus Pinheiro, Couto dos Santos e os filhinhos dos papás politicos