sexta-feira, setembro 23, 2011

APROXIMAR-ME DA VIDA

Tento contrariar a lei do progressivo afastamento da vida, tal como a enunciava e praticava Proust a bem dos seus miolos, com uma intensa e extensa fadiga física, meu único vício que me faz percorrer mais de cinquenta quilómetros a pé, todas as semanas, para lá e para cá, rumo ao trabalho e ao descanso no lar familiar. Quero aproximar-me dela, da vida, como Cristo do Leproso, rompendo a convenção.

1 comentário:

Anónimo disse...

Há quem faça das caminhadas, para o trabalho, ou sem rumo certo, uma forma de meditação. No seu caso, provalvemente, uma forma de oração.

bom fim de semana,
Virginia